posts

Encerramento da festa da padroeira- N. Senhora de Fátima

Neste sábado, 13 de maio, comemorou-se os 100 anos da aparição de Nossa Senhora de Fátima, aconteceu em nossa paroquia o encerramento da festa da nossa padroeira, ao meio dia com a Santa Missa. 

No dia 13 de maio de 1917, três pequenos pastores com idades entre 7 e 10 anos disseram ter visto a Virgem Maria em cima de uma azinheira um Cova da Iria, na época um terreno pedregoso próximo à localidade de Fátima. Esta “mulher mais brilhante que o sol” apareceu em outras cinco ocasiões nos meses seguintes. A emoção provocada pelo anúncio levou entre 50.000 e 70.000 pessoas a se reunir em Cova da Iria durante a última aparição, em 13 de Outubro, quando ocorreu um fenómeno meteorológico raro descrito como “o milagre do sol”. A devoção à Nossa Senhora de Fátima, que a Igreja não autorizou oficialmente até 1930, foi marcada por intensas manifestações de fé. Para expiar os pecados ou agradecer à Virgem pela ajuda prestada aos fiéis com problemas de saúde, amor ou dinheiro, muitos peregrinos caminham até Fátima durante vários dias e percorrem de joelhos o caminho que leva até a Capela das aparições, de centenas de metros. Três pastores, dois santos:  No sábado, o papa Francisco presidiu a cerimonia de canonização de dois dos pastores que disseram ver a virgem: Francisco Marto e sua irmã mais nova, Jacinta, que morreram de gripe espanhola em 1919 e 1920, aos dez e nove anos, respectivamente.

As duas crianças foram beatificadas por João Paulo II em Fátima em 13 de maio de 2000. Neste cem anos da aparição de Nossa Senhora de Fátima, podemos recorrer a esse amor de mãe, num caminho seguro para chegar ao coração de Jesus. Ela que é mãe, jamais abandona seus filhos, ela nos escuta nos ama, intercedi por cada um de nós e nos guia num caminho rumo ao céu. Viva Nossa Senhora de Fátima.

Festa de Nossa Senhora de Fátima

Nesta sexta-feria no encerramento da parte social da festa da padroeira de Banabuiú, foi com muito louvor, oração no ritmo de forro, Naldo José e forro in Deus animou nossos paroquianos e nos deu seu testemunho de vida. Através das musicas  podemos presenciar vários irmãos sendo tocados pelo amor de Deus, e voltando para casa com um sorriso diferente, renovados pelo amor de Deus, na certeza de que ele é misericordioso, nos convida a santidade, e se respondemos sim a esse convite, teremos uma vida inteiramente felizes, agraciados pelo amor de nosso pai.  É lindo ver uma juventude que fala, dança e louva o amor de Deus. Dançar para Deus é uma forma de gratidão, de adoração.Quando dançamos, estamos dando ao Senhor uma adoração com tudo o que temos e com tudo o que somos. Devemos ter uma vida de santidade, entrega e renúncia diante de Deus, além de um coração humilde e submisso. Nossos corações devem estar limpos e adornados para que o nosso louvor a adoração cheguem ao coração de Deus. As danças devem ser seguidas com alegria, humildade e consciência de que o Espírito Santo deve ter total liberdade para ministrar como lhe apraz no meio da congregação. Dançar é algo maravilhoso que toca o coração de Deus. Temos que ter continuamente um relacionamento íntimo com Deus, sem esfriamento, sem declínio, estando constantemente com a chama do primeiro amor acesa em nossos corações.

 

Festa de Nossa Senhora de Fátima

A paróquia de Banabuiú, está em festa, nesse Centenário da aparição de Nossa Senhora de Fátima, recorremos ao colo da mãe, ela que nos acolhe, ela que é o refugio dos pecadores, que intercedi e cuida de seus filhos. Nesse mês mariano devemos nos apagar a nossa mãe e atender o seu principal pedido:

A Mãe de Deus deixa o seu principal pedido: rezar sempre!

“Rezai o Terço todos os dias. Rezai, rezai muito! E fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o Inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas. Quando rezardes o Terço, dizei depois de cada mistério: Ó meu bom Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno. Levai as almas todas para o Céu, principalmente as que mais precisarem.”

Vigília Pascal 2017

Neste Sábado Santo a igreja celebra a vigília pascal, nos preparando para a ressurreição de Jesus Cristo. A missa na Nossa Paróquia foi realizada ás 20:00, uma missa com grande bênção, momento de emoção e encontro com Deus, onde renovamos o nosso batismo, acendemos o cirio  pascal e ouvimos uma liturgia de grande riqueza espiritual.

Na Vigília celebramos a memória da noite santa, em que Jesus ressuscitou, e é esta a missa considerada a mãe de todas as santas vigílias, como disse Santo Agostinho, pois nela a Igreja se mantém de vigia, à espera da Ressurreição do Senhor. É o cume do ano litúrgico”.

A liturgia falou  por si mesma quando proclamada : o mistério da nova luz que surge nas trevas, Cristo que venceu a morte e o pecado. Os fiéis se unem a este mistério, acendendo uma vela na chama do círio pascal, quando de sua entrada triunfal na igreja: é a participação na vida ressuscitada do Senhor.

Foi neste momento de grande bênção para a igreja e para nós , que pedimos ao Senhor que nos fizesse sentir a alegria da sua luz, de modo que nós mesmos nos tornemos portadores da sua luz, para que, através da Igreja, o esplendor do rosto de Cristo entre no mundo.

Cristo ressuscitou e nós deu a Salvação, és que Jesus venceu a morte e nós deu a sua luz. alegra-vos nos Senhor por que ele vivo está. FELIZ PASCOA

 

Sexta-feira Santa

Nesta celebração da sexta-feira da paixão, relembramos o amor de Deus para conosco, um amor que é infinito, um amor inexplicável, uma amor de um Deus que se fez tão pequeno pelos seus filhos, um Deus que sofreu por nós,  se fez um de nós, menos no pecado. Jesus veio para mostrar o tamanho da misericórdia do Senhor, veio para nos ensinar a amar.

Nosso Senhor Jesus Cristo veio sozinho em sua luta pela salvação do mundo. Por amor a nós ele deu  o seu sim ao Pai, um sim total e definitivo em nome de toda a Humanidade.

Após a Ceia, o Senhor se retira para rezar com seus discípulos, mas eles dormem. Jesus sente a solidão. É difícil ficar só. Ele volta três vezes ao grupo, mas eles dormem. Diante do Senhor o universo do pecado, do desconhecimento do amor divino, do menosprezo do carinho de Deus.

Jesus sente o peso dos pecados de todos os homens. Sente o peso da natureza humana em ruptura com o Pai, submetida ao “Príncipe das Trevas”.

É a hora da opção, da escolha definitiva. Ele sendo o “SIM” do Pai deve ratificar sua missão.Até em sua carne repercute o drama de sua escolha a ponto de suar sangue.

“Minha alma está triste até a morte”. Jesus é tentado a largar tudo, a renunciar. Ele diz: “Pai, afasta de mim este cálice”!

Contudo esse grito de dor, já é demonstração de confiança e também já é uma aceitação.

Pai, não o que eu quero, mas o que Tu queres!

E nós, como vivemos os momentos duros de paixão, de solidão?
Sejamos humildes como Jesus foi humilde…Ele, o filho de Deus pede e aceita o reconforto do Anjo… Sinal do amor do Pai.Não nos espantemos de oscilar daqui, dali e de repetir sempre as mesmas palavras…Jesus vai-e-vem, busca apoio e a ele renuncia.Diz sempre as mesmas palavras… O Amor sem palavras…..Apesar de sua agonia, Jesus pensa nos outros, em seus Apóstolos: Rezai para não entrardes em tentação”».

Quinta-feira Santa

Nesta Quinta-feira Santa celebramos a Santa ceia do Senhor,  a ultima ceia que Jesus compartilhou com seus apóstolos. Estamos no andar superior, com Jesus e os doze, e fazemos o que eles fizeram. Nesta missa onde não se resume apenas na celebração da Eucaristia, mas celebrar a Eucaristia de forma que é o ápice de um dia, de uma semana que foi marcada pelo êxodo de si mesmo, pelo esvaziar-se, para permitir que o amor de Deus falasse em nós e por nós. Celebrar a Ceia de Jesus significaria que despojamos de nós mesmo, não só das nossas vestes, e lavar os pés de nossos irmãos, isto é, prestar a eles o serviço do amor, do perdão, proporcionando vida de acordo com suas necessidades. Eucaristia é serviço, é partilha de dons, de vida!

Quarta-Feira Santa

Nesta quarta-feira Santa a missa em nossa paróquia foi realizada ás 05;00 da manhã, neste período de aproximação da morte de Jesus, preparamos nosso coração para se reconciliar com nosso pai, é tempo de de silenciar a nós mesmo, para nos abrirmos para escutar o que Nosso Senhor quer nós falar. Neste tempo quaresmal podemos ver de perto a misericórdia do Senhor para conosco. A quarta-ferira Santa é  o quarto dia da Semana Santa. Encerra-se na Quarta-feira Santa o período de Quaresma. Em Algumas Igrejas celebra-se neste dia a piedosa procissão do encontro de Nosso Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores. Ainda há igrejas que neste dia celebra o Ofício das Trevas, lembrando que o mundo já está em trevas devido à proximidade da Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. A liturgia deste dia vem nós falar sobre o amor que Deus tem por todas as pessoas. Este amor que nunca foi plenamente por nós correspondido, pois sempre o pecado manifestou o desamor que o homem tem por ele. O episódio da traição de Judas nos mostra de um modo muito mais profundo esta verdade. O Filho, verdadeiro Deus, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, por amor a nós, renuncia à sua condição divina e se faz homem, tornando-se um de nós. A resposta que ele encontra dos homens não é o amor, mas a traição e a morte. Mas nem mesmo esta realidade diminui o amor que Deus tem por nós, uma vez que, por amor, Jesus nos dá livremente a sua vida.

Domingo de Ramos

  • Neste Domingo de Ramos celebramos a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho – o símbolo da humildade – e aclamado pelo povo simples, que o aplaudia como “Aquele que vem em nome do Senhor”. Neste domingo ocorre o inicio da semana Santa, a pascoa do Senhor se aproxima, neste tempo de reconciliação com Deus, saímos em  Procissão de Ramos, onde recordamos que somos apenas peregrinos, neste mundo tão passageiro, tão transitório, que se gasta tão rapidamente. E nos mostra que a nossa pátria não é neste mundo, mas sim na eternidade, que aqui nós vivemos apenas em um rápido exílio em demanda da casa do Pai. Os ramos que levamos nas mãos nos lembram  a vitória de nosso Senhor Jesus Cristo, onde cantamos alegremente: “Hosana ao Filho de Davi: bendito seja o que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel; hosana nas alturas”. Os ramos foram benzidos pelo nosso pároco Padre Sergio, tornando-se agora santos ramos que nos fazem lembrar que somos batizados, filhos de Deus, membros de Cristo, participantes da Igreja, defensores da fé católica. Os ramos benzidos  levamos para nossas casas, após a Missa, faz com quer recordamos de que estamos unidos a Cristo na mesma luta pela salvação do mundo, a luta árdua contra o pecado, um caminho em direção ao Calvário, mas que chegará à Ressurreição.

PJ- Banabuiú

Pastoral da Juventude de Banabuiú- todos os sábados, a partir das 18:00 horas acontecem os encontros. onde fortalecemos nossa fé, vivermos de perto a alegria de sermos de Deus, a alegria de ter nossa juventude nos pés de nosso pai. “Queridos jovens: se queremos que nossa vida tenha realmente sentido e plenitude, digo a cada um e a cada uma de vocês: “bote fé” e a vida terá um sabor novo, terá uma bússola que indica a direção; “bote esperança” e todos os seus dias serão iluminados e o seu horizonte já não será escuro, mas luminoso; “bote amor” e a sua existência será como uma casa construída sobre a rocha, o seu caminho será alegre, porque encontrará muitos amigos que caminham com você. “Bote fé”, “bote esperança”, “bote amor! ”’

Grupo de Oração- Mensageiros de Cristo

Todos os Domingos a partir das 16:00 horas, grupo de oração- Mensageiros de Cristo.  cada novo encontro vivenciamos o amor de Deus, a sua misericórdia transformando realidades e mudando historias de vida.

Notoris - Agência Digital