03/12/2016

eparação ao Imaculado Coração de Maria, dia 3 de dezembro, no Santuário

por Áurea Maria, Comunidade Canção Nova

A Reparação ao Imaculado Coração de Maria no Ano Mariano Estamos vivendo no Brasil e em Portugal o Ano Mariano! Para aprofundarmos o nosso amor e veneração para com a Virgem Maria, especialmente ao longo deste ano, é importante compreendermos a importância da vivência da Reparação ao seu Imaculado Coração, conforme o seu pedido aos […]

A Reparação ao Imaculado Coração de Maria no Ano Mariano

Estamos vivendo no Brasil e em Portugal o Ano Mariano! Para aprofundarmos o nosso amor e veneração para com a Virgem Maria, especialmente ao longo deste ano, é importante compreendermos a importância da vivência da Reparação ao seu Imaculado Coração, conforme o seu pedido aos Pastorinhos em Fátima, Portugal.

Eis algumas das traduções que o dicionário Aurélio da Língua Portuguesa nos apresenta sobre a palavra Reparar: renovar, melhorar, retocar, consertar, restaurar, restabelecer, compensar, avigorar, restabelecer-se.
Jesus Cristo com a sua encarnação e morte na Cruz, trouxe para a Humanidade ferida pelo pecado a Reparação. Portanto, a grande Reparação é a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

Segundo o Cônego Formigão, notável profeta mensagem de Fátima, “Reparar é amar… imolar-se amando”.
A temática da Reparação é uma temática teológica que pode ser vista em duas perspetivas: uma ascendente e outra descendente. No fundo trata-se de olhar a reparação como uma atividade ou uma recepção, como algo que é dado ou como uma ação que construo e com a qual construo, ou seja, reparo. Teologicamente a Reparação é em primeiro lugar e previamente do próprio Deus. Deus é o nosso reparador no seu Filho. Mas por outro lado, a Reparação, além de dádiva passivamente acolhida de modo gratuito e imerecido, é oferecida também como desafio, como possibilidade de encarnação. Nesse momento, a Reparação é sobretudo um processo, um estilo crente. Mas por ser uma temática teológica que é hoje considerada datada na teologia, ela continua atual e com a necessidade de ser retraduzida, pois o que está em causa é algo essencial à fé e à cristologia – o amor de Deus… No fundo, a consciência da necessidade da Reparação e da possibilidade que nos é oferecida de retribuir essa Reparação apenas abre ainda mais a consciência de que somos pecadores e indigentes da salvação.” (José Carlos Carvalho – A Reparação como via de consolação a Deus – Itinerário Temático do Centenário das Aparições de Fátima: 4.º ciclo. Fátima: Santuário de Fátima, 2013. )

Quadro do oratório do Convento das Doroteias de Pontevedra, Espanha

Nas aparições do Anjo em Fátima, ele já introduz os Pastorinhos na mística da Reparação. Precisamente na segunda e na terceira aparição, ele fala da Reparação: na segunda aparição do Anjo – “De tudo que puderdes, oferecei um sacrifício em ato de Reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores. Atraí, assim, sobre a vossa Pátria, a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar.” (Das Memórias da Ir. Lúcia, pág. 170)
Portanto, na medida em que aceitamos os sofrimentos e contrariedades e nos unimos à Paixão de Nosso Jesus Cristo, podemos crescer na vivência da Reparação dos nossos pecados e também podemos oferecer em prol do gênero humano.
Na terceira aparição do Anjo – “… Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em Reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores. Depois, levantando-se, tomou de novo na mão o cálix e a Hóstia e deu-me a Hóstia a mim e o que continha o cálix deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo, ao mesmo tempo: – Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.” (Das Memórias da Ir. Lúcia, pág. 170-171)

Na Primeira Aparição de Maio de 1917, Nossa Senhora dá continuidade ao apelo à Reparação, dizendo: – “... Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em ato de Reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?” (Das Memórias da Ir. Lúcia, pág. 173-174)
Ao narrar a Aparição de Junho a Ir. Lúcia disse: “… À frente da palma da mão direita de Nossa Senhora, estava um coração cercado de espinhos que parecia estarem-lhe cravados.Compreendemos que era o Imaculado Coração de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade, que queria Reparação.” (Das Memórias da Ir. Lúcia pg. 175-176)
No mês seguinte na Aparição de Julho, a Virgem Santíssima ensinou aos três protagonistas, uma oração de oferecimento, para rezarem quando fizessem sacrifícios. – “… Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes, em especial sempre que fizerdes algum sacrifício: Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores e em Reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria.” E depois de mostrar para eles o inferno disse: “Para a impedir, (a guerra) virei pedir a consagração da Rússia a Meu Imaculado Coração e a Comunhão Reparadora nos primeiros sábados.” (Das Memórias da Ir. Lúcia; pág. 176-177)
E Nossa Senhora veio pedir a Devoção Reparadora dos 5 primeiros Sábados, em 1925 para a Irmã Lúcia quando era postulante em Pontevedra. Vejamos o trecho narrado pela mesma protagonista:
Dia 10-12-1925, apareceu-lhe a SS. Virgem e, ao lado, suspenso em uma nuvem luminosa, um Menino. A SS. Virgem, pondo-lhe no ombro a mão e mostrando, ao mesmo tempo, um coração que tinha na outra mão, cercado de espinhos. Ao mesmo tempo, disse o Menino: – Tem pena do Coração de tua SS. Mãe que está coberto de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos Lhe cravam sem haver quem faça um ato de reparação para os tirar.
Em seguida, disse a SS. Virgem: – Olha, minha filha, o Meu Coração cercado de espinhos que os homens ingratos a todos os momentos Me cravam, com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de Me consolar e diz que todos aqueles que durante 5 meses, ao 1.° sábado, se confessarem, recebendo a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço e Me fizerem 15 minutos de companhia, meditando nos 15 mistérios do Rosário, com o fim de Me desagravar, Eu prometo assistir-lhes, na hora da morte, com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas.

É precisamente para que a Mensagem do céu, trazida pelo Anjo e pela Virgem Maria, continuem ecoando nos nossos corações que o Santuário do Pai das Misericórdias em cada primeiro sábado do mês, a partir das 10h, promove esta Devoção Reparadora. Portanto, neste próximo sábado dia 03 de Dezembro de 2016.
Iniciamos com a oração do Terço Mariano, em seguida fazemos uma catequese sobre a espiritualidade de Fátima e por último os 15 minutos de companhia à Nossa Senhora com a meditação da Palavra.

Os outros dois Atos Reparadores (Missa e Confissão) o Peregrino poderá se organizar para participar da Santa Missa no Santuário do Pai das Misericórdias para comungar em Reparação ao Coração Imaculado de Maria e também pode confessar-se nos nossos confessionários também com a intenção de Reparação.
Para saber sobre os horários das Missas e Confissões acesse: paidasmisericordias.com
Você pode testemunhar a sua experiência com a Virgem Maria, vivenciada na Devoção Reparadora dos 5 Primeiros Sábados no Santuário do Pai das Misericórdias através do email: acolhida@paidasmisericordias.com

Áurea Maria,
Comunidade Canção Nova

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital