Sementes de Vida

22/10/2020

UM DIA COM SÃO JOÃO PAULO II

UM DIA COM SÃO JOÃO PAULO II 1- SINAL DA CRUZ 2 – INVOCAÇÃO AO ESPÍRITO SANTO: VINDE ESPÍRITO SANTO De São João Paulo ll “Espírito Santo, hóspede amável dos corações manifestai-nos […] e disponde o nosso espírito para o celebrarmos com fé, na esperança que não desilude, na caridade desinteressada. Espírito de verdade, que […]

UM DIA COM SÃO JOÃO PAULO II

1- SINAL DA CRUZ

2 – INVOCAÇÃO AO ESPÍRITO SANTO:

VINDE ESPÍRITO SANTO
De São João Paulo ll

“Espírito Santo, hóspede amável dos corações
manifestai-nos […]
e disponde o nosso espírito para o celebrarmos com fé,
na esperança que não desilude,
na caridade desinteressada.

Espírito de verdade, que perscrutais as profundezas de Deus,
memória e profecia da Igreja,
levai a humanidade a reconhecer, em Jesus de Nazaré,
o Senhor da glória, o Salvador do mundo,
o cumprimento supremo da História.

Vinde, Espírito de amor e de paz!

Espírito Criador, secreto construtor do Reino,
com a força dos vossos santos dons, dirigi a Igreja […]
a fim de levar às gerações que hão-de vir a luz da Palavra salvadora.

Espírito de santidade, sopro divino que agita o universo,
vinde e renovai a face da terra.
Suscitai, nos cristãos, o desejo da unidade plena,
para serem, no mundo, sinal e instrumento eficaz
da união íntima com Deus e da unidade de todo o género humano.

Vinde, Espírito de amor e de paz!

Espírito de comunhão, alma e sustentáculo da Igreja,
fazei que a riqueza de carismas e ministérios
contribua para a unidade do Corpo de Cristo;
fazei que leigos, consagrados e ministros ordenados
concorram unânimes para a edificação do único Reino de Deus.

Espírito de consolação, fonte inesgotável de alegria e de paz,
despertai a solidariedade por quem vive na miséria,
proporcionai aos doentes o conforto de que precisam,
infundi, em quem se acha na provação, firmeza e esperança
e, em todos, reavivai o empenho por um futuro melhor.

Vinde, Espírito de amor e de paz!

Espírito de sapiência, que sensibilizais as inteligências e os corações,
orientai o caminho da ciência e da técnica
para o serviço da vida, da justiça, da paz.
Tornai fecundo o diálogo com os membros de outras religiões,
fazei que as diversas culturas se abram aos valores do Evangelho.

Espírito de vida, por cuja obra o Verbo encarnou
no seio da Virgem Maria, mulher do silêncio à escuta,
tornai-nos dóceis às sugestões do vosso amor
e sempre prontos a acolher os sinais dos tempos
que Vós colocais nos caminhos da História.

Vinde, Espírito de amor e de paz!

A Vós, Espírito de amor,
com o Pai Onipotente e o Filho unigénito,
seja dado louvor, honra e glória
pelos séculos sem fim.”Amém.

(ORAÇÃO para o Segundo Ano de Preparação
ao Grande Jubileu do Ano 2000 – II ano: Espírito Santo)

3 – ORAÇÃO INICIAL
(Da Coleta – Missa própria do Santo)

“Deus, rico de misericórdia,
que colocastes o Papa
São João Paulo II à frente da vossa Igreja,
fazei que, instruídos pelos seus ensinamentos,
abramos confiadamente os nossos corações
à graça salvadora de Cristo,
único salvador do mundo.
Ele que é Deus convosco
na unidade do Espírito Santo.” Amém

4 – PERFIL BIOGRÁFICO DO PAPA

JOÃO PAULO II
(1920-2005)

Karol Wojtyła nasceu a 18 de Maio de 1920 em Wadowice, na Polónia meridional, onde viveu até 1938, quando se inscreveu na faculdade de filosofia da Universidade Jagelónica e se transferiu para Cracóvia. No Outono de 1940 trabalhou como operário nas minas de pedra e depois numa fábrica química. Em Outubro de 1942 entrou no seminário clandestino de Cracóvia e a 1 de Novembro de 1946 foi ordenado sacerdote.

A 4 de Julho de 1958, Pio XII nomeou-o bispo auxiliar de Cracóvia. Recebeu a ordenação episcopal a 28 de Setembro seguinte. Como lema episcopal escolheu a expressão mariana Totus tuus de são Luís Maria Grignion de Montfort.

Primeiro como auxiliar e depois, a partir de 13 de Janeiro de 1964, como arcebispo de Cracóvia, participou em todas as sessões do concílio Vaticano II. A 26 de Junho de 1967 foi criado cardeal por Paulo VI.

Em 1978 participou no conclave convocado depois da morte de Montini e no sucessivo após o inesperado falecimento de Luciani. Na tarde de 16 de Outubro, depois de oito escrutínios, foi eleito Papa. Primeiro Pontífice eslavo da história e primeiro não italiano depois de quase meio milénio, desde o tempo de Adriano VI (1522-1523).

Personalidade poliédrica e carismática, afirmou-se imediatamente pela grande capacidade comunicativa e pelo estilo pastoral fora dos esquemas. A têmpera e o vigor de uma idade relativamente jovem permitiu que empreendesse uma actividade intensíssima, ritmada sobretudo pelo multiplicar-se das visitas e das viagens: no total foram 104 internacionais e 146 na Itália, com 129 países visitados nos cinco continentes.

Desde o início trabalhou para dar voz à chamada Igreja do silêncio. A insistência sobre os temas dos direitos do homem e da liberdade religiosa tornou-se assim uma constante do seu magistério. Tanto que hoje é largamente reconhecido o contributo relevante da sua acção para as vicissitudes que determinaram a queda do muro de Berlim em 1989 e o sucessivo colapso dos regimes filo-soviéticos. Neste contexto provavelmente insere-se o gravíssimo episódio do atentado do qual foi vítima a 13 de Maio de 1981 por obra do turco Ali Agca.

Ao lado da polémica anticomunista, desenvolveu-se também uma leitura crítica do capitalismo, submetido a uma análise crítica em três das suas 14 encíclicas: a Laborem exercens (1981), a Sollicitudo rei socialis (1987) e a Centesimus annus (1991). Também foi assídua a sua actividade a favor da paz, que se entrelaça com a busca do diálogo com as grandes religiões — em particular com o judaísmo e com o islão — e com o novo impulso impresso no caminho ecuménico.

Em 1983 promulgou o novo Codex iuris canonici e depois providenciou à reforma da Cúria romana com a constituição apostólica Pastor bonus de 1988. Favoreceu também a dimensão da colegialidade episcopal no governo da Igreja, sobretudo através da convocação de quinze sínodos dos bispos. Entre os números de um pontificado bastante longo — em segundo lugar por duração só ao de Pio IX (1846-1878) — podem ser mencionadas também as frequentes cerimónias de beatificação e canonização, durante as quais foram proclamados 1.338 beatos e 482 santos.

Com o passar dos anos a atenção do Pontífice focalizou-se sobretudo na celebração do grande jubileu do ano 2000. O evento assumiu um significado altamente simbólico no âmbito da sua missão pastoral e teve uma forte importância penitencial, expressa de modo emblemático no dia do perdão (12 de Março).

O encerramento do jubileu abriu a fase conclusiva do pontificado, marcada sobretudo pelo progressivo agravamento das condições de saúde do Papa, que depois de uma longa e angustiante agonia morreu na noite de 2 de Abril de 2005.

Após 26 dias do seu falecimento, Bento XVI concedeu a dispensa dos cinco anos de expectativa prescritos permitindo o início da causa de canonização. E o mesmo Papa o proclamou beato a 1 de Maio de 2011. E em 27 de Abril 2017, na Basílica de São Pedro, pelo Papa Francisco. Seu dia litúrgico é 22 de Outubro.

Publicado no L’Osservatore Romano, ed. em português, n. 18 de 3 de maio de 2014

5 – PALAVRAS DO PAPA SOBRE:

A LIBERDADE HUMANA

“[…] Em parte alguma como neste lugar, durante a violenta divisão do seu país, o desejo de unidade esteve tão intimamente ligado a uma obra de construção. O Portão de Brandemburgo foi ocupado por duas ditaduras alemãs. Para os ditadores nacional-socialistas, serviu de pano de fundo imponente para desfiles e procissões de tochas e foi murada por tiranos comunistas. Por terem medo da liberdade, os ideólogos transformaram uma porta em parede. Precisamente neste ponto em Berlim, simultaneamente o ponto de junção da Europa e o ponto não natural de divisão entre Oriente e Ocidente, precisamente neste ponto a face implacável do comunismo se manifestou para todo o mundo, do qual se suspeitam os desejos humanos de liberdade. e paz. No entanto, teme acima de tudo a liberdade de espírito, que os ditadores marrons e vermelhos queriam murar.
[…]

O homem é chamado à liberdade.

Liberdade não significa direito à arbitragem. A liberdade não é um “passe”! Quem transforma a liberdade em passe já lhe deu um golpe fatal. O homem livre está preso à verdade, caso contrário sua liberdade não é mais concreta do que um belo sonho, que se desfaz ao despertar. O homem não deve sua existência a si mesmo, mas é uma criatura de Deus; ele não é senhor de sua própria vida e da dos outros; se ele quer ser um homem na verdade, ele deve ouvir e ouvir. Sua livre criatividade se desenvolve de forma eficaz e duradoura somente se estiver alicerçada em um alicerce inabalável na verdade, que foi dada ao homem. Então o homem será capaz de se realizar, na verdade ele será capaz de se superar. Não há liberdade sem verdade.

O homem é chamado à liberdade.

A ideia de liberdade pode ser transformada em realidade de vida onde as pessoas juntas são convencidas e impregnadas por ela, na consciência da singularidade e da dignidade do homem e de sua responsabilidade na presença de Deus e da humanidade. Só onde juntos garantimos a liberdade e lutamos solidariamente por ela, ela se adquire e permanece inalterada. A liberdade do indivíduo não deve ser separada da liberdade dos outros, de todos os outros homens. Onde os homens estreitam o olhar para o próprio campo vital e não estão mais dispostos a se comprometer com os outros, mesmo sem ganho pessoal, a liberdade está em perigo. A liberdade vivida, por outro lado, em solidariedade, produz um compromisso com a justiça na esfera política e social e nos faz voltar o olhar para ela. Não há liberdade sem solidariedade .

O homem é chamado à liberdade.

A liberdade é uma mercadoria muito preciosa, que tem um preço alto. Requer nobreza de espírito e isso implica espírito de sacrifício; requer vigilância e coragem contra as forças que o ameaçam, de dentro e de fora. Movidos pelo espírito de sacrifício, muitos homens na vida cotidiana estão naturalmente dispostos a renunciar, na família ou entre amigos. Aqueles que, para se defenderem das ameaças internas ou externas, aceitam as desvantagens, são sacrificados pela liberdade, que portanto são poupadas aos outros, a ponto de arriscarem a própria vida. Ninguém pode se eximir de sua responsabilidade pessoal pela liberdade. Não há liberdade sem sacrifício.

O homem é chamado à liberdade.

[…] Quando alguém tem a experiência do amor, também tem a experiência da liberdade. No amor o homem se supera, se abandona, porque seu interesse está no outro, porque deseja que a vida do outro se realize. Assim, as barreiras do egocentrismo caem e a alegria do compromisso comum voltado para fins superiores é sentida. Respeite a dignidade inviolável de cada homem, desde o primeiro instante de sua existência terrena até seu último suspiro! Lembre-se sempre do reconhecimento que sua Lei Fundamental coloca antes de todas as outras declarações: a dignidade do homem é inviolável! Liberte-se para a liberdade de responsabilidade! Abra as portas para Deus!

Acima de tudo, precisa de ar para respirar, de […] Não extinguam o Espírito! Mantenha essa porta aberta, para você e para todos os homens! Mantenha-o aberto com o espírito de amor, justiça e paz! Mantenha a porta aberta com seus corações abertos! Não há liberdade sem amor.

O homem é chamado à liberdade. A todos os que me ouvem anuncio: a plenitude e plenitude desta liberdade tem um nome: Jesus Cristo.
É ele quem disse de si mesmo: eu sou a porta. Nele o homem tem acesso à plenitude da liberdade e da vida. É ele quem torna o homem verdadeiramente livre, ao dissipar as trevas dos corações dos homens e revelar a verdade. Ele faz seu caminho como nosso irmão e reconhece sua solidariedade conosco dando sua vida por nós. Desta forma, ele nos liberta do pecado e da morte. Ele nos faz reconhecer o seu rosto no nosso próximo, o rosto do verdadeiro irmão. Ele nos mostra o rosto do Pai e se torna o vínculo de amor para todos.

Cristo é nosso Salvador, ele é nossa liberdade.”

(DISCURSO DE JOÃO PAULO II. No Portão de Brandemburgo Berlim. Em 23 de junho de 1996)

6 – DOZE FATOS SOBRE O PAPA :

1. Ainda que o governo comunista tivesse sérias restrições com a Igreja Católica na Polônia, João Paulo II foi considerado pelos comunistas a pessoa ideal para ser o arcebispo de Cracóvia.

2. Participou do Concílio Vaticano II como bispo e ajudou a redigir vários documentos
Colaborou na redação do texto final da Dignitatis Humanae; no Decreto sobre a liberdade religiosa; e na Gaudium et spes, a Constituição Pastoral sobre a Igreja no mundo atual.

3. Foi o papa e chefe da Igreja Católica de 16 de outubro de 1978 até à data de sua morte. Teve o terceiro maior pontificado documentado da história, liderando por 26 anos, 5 meses e 17 dias, depois dos papas São Pedro, cujo pontificado durou cerca de 37 anos, e Pio IX, que liderou por 31 anos. Foi o único Papa eslavo e polaco até a sua morte, e o primeiro Papa não italiano desde o Holandês Adriano VI, em 1522. Quebrando a sucessão de 456 de Papas italianos.

4. Como Papa falou 9 idiomas com fluidez
Sabia polonês, latim, grego antigo, italiano, francês, alemão, inglês, espanhol e português. Em sua juventude esteve familiarizado com uns 12 idiomas.

5. Visitou 129 países durante seu pontificado conhecido em todo o planeta, é normal que João Paulo II tenha viajado muito durante sua vida. Só para você ter ideia, estima-se que ele tenha percorrido mais de 1,2 milhão de quilômetros ao longo dos anos. É basicamente o mesmo que ir e voltar da Lua três vezes!
Isto o transformou em um dos líderes mundiais que mais viajou na história e o fez ganhar o apelido de ”Papa Peregrino”.

6. Beatificou e canonizou mais pessoas que o resto dos papas que o antecederam… juntos!
Beatificou 1.340 pessoas e canonizou 483. Esses números superam todos os beatos e santos canonizados por todos os Papa anteriores a ele na história da Igreja.

7. Foi herói de um HQ da Marvel nos anos 80. E não estava só: Madre Teresa de Calcutá e São Francisco de Assis também protagonizaram livros de histórias.

8. Conhecido pela bondade e pela doação não apenas de seu tempo como de seus bens materiais, João Paulo II usou boa parte do dinheiro arrecadado com a venda do seu livro “Cruzando o Limiar da Esperança” para reconstruir igrejas que haviam sido destruídas na Iugoslávia.

9. Se tudo o que foi escrito por Karol fosse reunido em volumes, teríamos o equivalente a 20 bíblias. Durante seu pontificado, escreveu em média 3 mil páginas por ano.

10. Seu amor pela humanidade ia além das barreiras religiosas de cada povo e, por isso, foi o primeiro Papa a pisar em uma mesquita.

11. Foi a pessoa mais vista da história da humanidade – estima-se que pelo menos 500 milhões de pessoas já tenham visto João Paulo II de pertinho.

12. Vários locais, em várias partes do mundo foram nomeados para homenagear o papa, como a Península Ioannes Paulus II na Antártica.
Na Polônia um aeroporto foi renomeado para Aeroporto Internacional São João Paulo II de Cracóvia-Balice. A Universidade Católica de Lublin foi renomeada para Universidade Católica João Paulo II de Lublin.
Em Ponta Delgada, em Açores – Portugal há o Aeroporto João Paulo II que é uma homenagem a passagem do papa, na data de 11 de maio de 1991.
No Brasil, entre as várias homenagens Existe em Curitiba o Bosque Papa João Paulo II em homenagem ao papa e a imigração polonesa no Brasil.
Em quase todos os locais onde ele passou lhe renderam homenagens.

7 – LADAINHA DO SANTO
Senhor – Tende piedade de nós.
Jesus Cristo – Tende piedade de nós.
Senhor – Tende piedade de nós!

Jesus Cristo – Ouvi-nos
Jesus Cristo – Atendei-nos

Deus Pai Criador – Tende piedade de nós.
Filho Redentor do mundo – Tende piedade de nós.
Espírito Santo, de Amor – Tende piedade de nós.

Santa Maria – Rogai por nós
São José – Rogai por nós.
São João Paulo ll – Rogai por nós
João de Deus – Rogai por nós!
Servo dos servos de Deus – Rogai por nós!
Arauto do Evangelho – Rogai por nós!
Papa Peregrino – Rogai por nós!
Grande Missionário – Rogai por nós!
Papa do Milagre de Fátima – Rogai por nós!
Exemplo de Perdão – Rogai por nós!
Aquele que venceu o bloco comunista – Rogai por nós!
Apóstolo da Divina Misericórdia – Rogai por nós!
Fundador da Jornada Mundial da Juventude – Rogai por nós!
Mestre do novo Catecismo da Igreja Católica – Rogai por nós!
Incentivador dos Meios de Comunicação – Rogai por nós!
Amante das Artes – Rogai por nós!
Defensor da Vida e das Famílias – Rogai por nós!
Inspiração dos Enfermos – Rogai por nós!
Exemplo do diálogo e da comunhão – Rogai por nós!
Aquele que abriu o Terceiro Milênio – Rogai por nós!
Místico da Oração e do novo Rosário – Rogai por nós!
Atleta de Deus – Rogai por nós!
Papa da Paz – Rogai por nós!
Filho amado da Virgem Maria – Rogai por nós!
Amigo dos santos e beatos – Rogai por nós!
Amigo de todos os povos e nações – Rogai por nós!
Agradecemos-vos, Deus Pai, por sua Santidade João Paulo II.
Graças porque testemunhamos, em seu rosto, o amor de Cristo.
Graças porque testemunhamos, em seu corpo, a Cruz de Cristo.
Graças porque testemunhamos, em sua figura, o mensageiro da Paz de Cristo.
Graças porque testemunhamos, em suas mãos, o Corpo e Sangue de Cristo.
Graças porque testemunhamos, nele, o Espírito da Luz de Cristo.
Graças porque o temos como grande intercessor.
Graças porque, ao vê-lo e escutá-lo, nos alegrou na alma em Cristo.

Bendize minha alma ao Senhor, e que Deus nos abençoe pelo testemunho de São João Paulo II.

Oremos
Ó Trindade Santa, nós vos agradecemos por ter dado à Igreja o papa São João Paulo II e por ter feito resplandecer nele a ternura da vossa paternidade, a glória da cruz de Cristo e o esplendor do Espírito de amor. Confiando totalmente na vossa infinita misericórdia e na materna intercessão de Maria, ele foi para nós uma imagem viva de Jesus Bom Pastor, indicando-nos a santidade como a mais alta medida da vida cristã ordinária, caminho para alcançar a comunhão eterna convosco. Segundo a vossa vontade, concedei-nos, por sua intercessão, a graça que imploramos. Amém.

8 – ORAÇÃO FINAL
(Das Laudes – comum dos Pastores, para um Papa)

“Deus eterno e todo-poderoso, quiseste que: São João Paulo ll governou todo o vosso povo, servindo-o pela palavra e pelo exemplo. Guardai, por suas preces, os pastores de vossa Igreja e as ovelhas a eles confiadas, guiando-os no caminho da salvação eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.”

Pai Nosso…
Ave Maria…
Glória ao Pai…

São João Paulo ll, pelegrino das nações – e Rogai por nós.

Antônio Gomes

Consagrado na dimensão de Aliança da Comunidade Mariana Boa Semente

Missão Quixeramobim (Sede)

Fontes utilizadas:

– Liturgia das Horas – versão online
– lecionario santoral – versão online
– Wikipedia
– http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/biografia/documents/hf_jp-ii_spe_20190722_biografia.html
– https://www.google.com/amp/s/m.megacurioso.com.br/amp/religiao/69759-19-curiosidades-incriveis-sobre-a-vida-de-joao-paulo-ii.htm

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Confira as atualizações dos Blogs!
Notoris - Agência Digital