Sementes de Vida

08/10/2020

UM DIA COM SÃO JOÃO CALÁBRIA

1- SINAL DA CRUZ 2 – VINDE ESPÍRITO SANTO… 3 – INTENÇÕES 4 – ORAÇÃO INICIAL (Das Laudes – própria do santo) “Deus, Pai todo-poderoso, que para reavivar no mundo a confiança em vossa paternidade e o abandono filial à vossa Providência, suscitastes na Igreja o sacerdote João Calábria, concedei-nos, por sua intercessão, que, animados […]

1- SINAL DA CRUZ

2 – VINDE ESPÍRITO SANTO…

3 – INTENÇÕES

4 – ORAÇÃO INICIAL
(Das Laudes – própria do santo)

“Deus, Pai todo-poderoso, que para reavivar no mundo a confiança em vossa paternidade e o abandono filial à vossa Providência, suscitastes na Igreja o sacerdote João Calábria, concedei-nos, por sua intercessão, que, animados pelo mesmo espírito, possamos reconhecer e servir o vosso próprio Filho em nossos irmãos e irmãs pobres e sofredores. Por nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.” Amém

5 – BIOGRAFIA DO SANTO:

João Calábria nasceu em Verona no dia 8 de outubro de 1873, sétimo e último filho de Luís Calábria, sapateiro, e de Ângela Foschio, empregada doméstica e mulher de grande fé, educada pelo Servo de Deus Pe. Nicolau Mazza, em seu Instituto para meninas pobres.

Desde o seu nascimento, a pobreza lhe foi mestra de vida. Vindo a falecer seu pai, teve que interromper a 4a série primária e trabalhar como garçom. Pe. Pedro Scapini, Reitor de São Lourenço, percebendo as virtudes do jovem, preparou-o com aulas particulares para os exames de admissão ao 2° grau, no Seminário. Tendo sido aprovado nos exames, foi admitido e freqüentou o 2° grau como aluno externo. Mas teve que interrompê-lo no 3° ano para prestar o serviço militar.

Neste sentido, o jovem distinguiu-se sobretudo pela sua caridade. Colocou-se a serviço de todos, dedicando-se aos trabalhos mais humildes e arriscados. Conquistou a amizade dos seus colegas e superiores, levando muitos à conversão e à prática da fé.

Terminado o serviço militar, retornou aos estudos. Numa noite fria de novembro de 1897 – quando freqüentava o l ° ano de teologia – regressando do hospital, onde tinha visitado doentes, encontrou encolhido na porta de sua casa um menino fugido dos ciganos. Então, acolhendo-o, levou-o para sua casa e partilhou com ele o seu pequeno quarto. Foi o inicio de suas obras com os meninos órfãos e abandonados.

Depois de alguns meses, fundou a “Pia União para a assistência aos doentes pobres”, reunindo um grande número de clérigos e leigos.

Este foi somente o início de uma vida caracterizada totalmente pela caridade. “Todos os instantes de sua vida foram uma personificação do maravilhoso cântico de São Paulo sobre a Caridade”, escrevia na sua carta de postulação ao papa Paulo VI uma médica hebréia que o Pe. João Calábria salvou da perseguição nazista e fascista, ocultando-a entre as religiosas do seu Instituto, vestindo-a com o hábito delas.

Em 1910 fundou também o ramo feminino, as ” Irmãs “, sendo reconhecida no dia 25 de março de 1952 como Congregação de direito diocesano, com o nome de ” Pobres Servas da Divina Providência” e aos 25 de dezembro de 1981 obteve a Aprovação Pontifícia.

Tendo sido ordenado sacerdote no dia 11 de agosto de 1901 foi nomeado Vigário Cooperador na paróquia Santo Estêvão e confessor no Seminário. Dedicou-se com zelo especial às confissões e ao exercício da Caridade, privilegiando sobretudo os mais pobres e marginalizados.

Em 1907, nomeado Vigário da Reitoria de São Benedito ao Monte, começou também a acolher e ajudar espiritualmente alguns soldados. No dia 26 de novembro do mesmo ano, na Rua Case Rotte, iniciou oficialmente o Instituto ” Casa Buoni Fanciulli “, que no ano seguinte, foi transferido para um lugar definitivo na Rua San Zeno in Monte, atual Casa Mãe.

Com os meninos, o Senhor mandou-lhe também alguns leigos que desejavam partilhar com ele a própria doação ao Senhor. Com este pequeno grupo de homens entregues totalmente ao Senhor no serviço aos pobres com uma vida radicalmente evangélica, fez com que a Igreja de Verona revivesse o clima da Igreja Apostólica. E aquele primeiro núcleo de homens foi a base da Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência, sendo aprovada pelo Bispo de Verona aos 11 de fevereiro de 1932 e obtendo a Aprovação Pontificia aos 25 de abril de 1949.

Logo após a aprovação diocesana, a Congregação difundiu-se em várias regiões da Itália, sempre ao serviço dos pobres, dos abandonados e dos marginalizados. Extendeu a sua ação também aos idosos e doentes, dando vida à ” Cittadella della Carità “. O Coração apostólico do Pe. João Calábria pensou também nos Párias da índia, enviando, no ano de 1934, quatro Irmãos a Vijayavada.

O Pe. João Calábria confiou às duas Congregações a mesma missão que o Senhor lhe inspirou desde quando era um jovem sacerdote: “Mostrar ao mundo que a Divina Providência existe, que Deus não é um estrangeiro, mas que é Pai e cuida de seus filhos, contanto que nós O acolhamos e façamos a nossa parte que é buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (cf. Mt 6, 25-34).

Para testemunhar tudo isto, acolheu gratuitamente em suas casas meninos necessitados material e moralmente, criou hospitais e casas para acolher e dar assistência corporal e espiritual aos doentes e idosos. Abriu casas de formação para os jovens e adultos pobres, a fim de ajudá-los a realizar a própria vocação sacerdotal ou religiosa, deixando-os livres para ingressar na diocese ou Congregação que o Senhor lhes tivesse inspirado. Estabeleceu que os seus religiosos exercitassem o apostolado nos lugares mais pobres, “onde não se pode esperar nenhuma recompensa humana”.

“Resplandeceu como farol luminoso na Igreja de Deus”. São exatamente estas as palavras que o Beato Cardeal Schuster mandou epigrafar sobre o túmulo do Pe. João Calábria.

Desde 1939 até o dia de sua morte, em contraste com seu inato desejo de ocultar-se, alargou os seus horizontes até alcançar as fronteiras da Igreja, ” gritando ” a todos que o mundo poderia salvar-se somente retornando a Cristo e ao seu Evangelho.

Foi assim que se tornou uma voz profética, um ponto de referência: bispos, sacerdotes, religiosos e leigos, viram nele o guia seguro para eles mesmos e para suas próprias iniciativas.

Os bispos da Conferência Episcopal do Trivêneto, na carta de postulação endereçada ao papa João Paulo II escreveram: “Pe. Calábria, exatamente para preparar a Igreja do ano 2000 – expressão a ele familiar – fez de sua vida um sofrido e enternecido apelo à conversão, à renovação, à hora de Jesus com acentos impressionantes de premente urgência … Parece-nos que a vida do Pe. Calábria e a sua mesma pessoa constitua uma “profecia” do vosso apaixonado grito a todo o mundo: “Abram as portas a Cristo Redentor!”.

Ele compreendeu que nesta radical e profunda renovação espiritual do mundo, deveriam ser envolvidos também os leigos. Por isto, em 1944, fundou a ” Família dos Irmãos Externos “, constituída por leigos. Rezou, escreveu, agiu e sofreu também para a unidade dos cristãos. Portanto, manteve fraternas relações com protestantes, ortodoxos e hebreus: escreveu, falou, amou e nunca polemizou. Conquistou com o amor. O Pastor luterano Sune Wiman de Eskilstuna (Suécia) que manteve com Pe. Calábria um abundante intercâmbio epistolar, endereçou no dia 6 de março de 1964 uma carta de postulação ao papa Paulo VI para solicitar-lhe a glorificação do seu venerado amigo.

Este foi o período misteriosamente mais doloroso de sua vida. Parecia que Jesus Cristo o tivesse associado à agonia do Getsêmani e do Calvário, aceitando a sua oferta de ser “vítima” para a santificação da Igreja e para a salvação do mundo. O Beato Cardeal Schuster comparou-o ao Servo de Javé.

Morreu no dia 4 de dezembro de 1954. Na vigília porém, fez o seu último gesto de caridade: ofereceu a sua vida ao Senhor pelo papa Pio XII, que estava agonizando. Deus aceitou sua oferta: Pe. João Calábria morreu e o Papa, misteriosa e repentinamente recuperou a saúde e viveu de mais quatro anos. O mesmo Pontífice, desconhecendo o último gesto de oferta do Pe. Calábria, mas profundo conhecedor de toda a sua vida, recebendo a notícia de sua morte, em um telegrama de pêsames à Congregação, definiu-o “campeão de evangélica caridade “.

O Pe. João Calábria foi beatificado pelo papa São João Paulo II no dia 17 de abril de 1988. E pelo mesmo Papa foi canonizado em 18 de Abril de 1999, na Basilica de São Pedro – Vaticano.
Sua festa litúrgica é dia 08 de Outubro.

6 – QUE DISSE DELE SÃO JOÃO PAULO II:

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PEREGRINOS VINDOS PARA A CANONIZAÇÃO
DE JOÃO CALÁBRIA
E OUTROS :

“(…) No ano em que a Igreja, a caminho rumo ao Grande Jubileu, fixa o olhar na infinita ternura de Deus Pai, reconhecemos em S. João Calábria, sacerdote veronês fundador dos Pobres Servos e das Pobres Servas da Divina Providência, um admirável reflexo da paternidade divina. Ele mesmo, aliás, assim concebeu, desde o início, a missão que lhe fora confiada pelo Senhor: sentia que era chamado a ‘mostrar ao mundo que a divina Providência existe, que Deus não é estrangeiro, mas é Pai, e pensa em nós, com a condição de que pensemos n’Ele e façamos a nossa parte, que é a de procurar em primeiro lugar o santo Reino de Deus e a sua justiça’ (Cartas aos seus sacerdotes, III, 19 de Março de 1933). A alma de toda a sua intensa actividade apostólica e caritativa foi a descoberta, através do Evangelho, do amor do Pai celeste e de Cristo pelo homem.

A caridade evangélica foi a virtude que caracterizou em grande medida a sua vida. Uma doutora judia, por ele escondida entre as suas Irmãs para a subtrair aos nazi-fascistas, testemunhou que todos os momentos da existência dele pareciam como que uma personificação do hino do apóstolo Paulo à caridade. De coração faço votos aos seus filhos e filhas espirituais, aos quais dirijo uma saudação calorosa, por que prolonguem e estendam sempre mais o irreprimível amor que transbordava do coração deste santo sacerdote, conquistado por Cristo e pelo seu Evangelho. (…)
Caríssimos Irmãos e Irmãs! Olhemos para os novos Santos, e aprendamos deles o segredo da santidade. Aprofundemos os seus carismas, assimilemos o espírito que deixaram como herança e imitemos os seus exemplos. E a paz de Cristo reinará nos nossos corações! A Mãe do Redentor, Rainha de todos os Santos, obtenha isto para cada um de nós.

Com estes sentimentos, de coração concedo a vós e aos vossos entes queridos a Bênção Apostólica.
(…) “

7 – DOIS FATOS QUE DEMONSTRAM QUE SÃO JOÃO CALÁBRIA FOI UM SANTO A FRENTE DE SEU TEMPO

1°- Portanto, manteve fraternas relações com protestantes, ortodoxos e hebreus: escreveu, falou, amou e nunca polemizou.” Um dos objetivos, dos Pobres Servos, deve ser também o de cooperar para a unidade cristã […] Mesmo que a realidade se apresente humanamente difícil, nada é impossível a Deus…” Foi um dos precursores do Ecumenismo espiritual católico. Conquistou com o amor, a muitas autoridades de diversas confissões religiosas. Um exemplo disso é a troca de correspondência com o escritor inglês C.S. Lewis, a quem escreveu após ler as suas Cartas de um Diabo a seu Aprendiz. Ou o relacionamento com o pastor sueco Sune Wilman. Em 1945, recebeu, na abadia de Maguzzano, o metropolita Vissarion Puiu, da Igreja Ortodoxa romena, perseguido pelos comunistas. Ao escritor Domenico Mondrone confidenciou, uma vez: ‘Esta é a hora de Jesus; estamos numa grande virada, é preciso que todos percebam isso, sobretudo aqueles que têm a missão de conduzir os outros, e alinhar-se com os novos tempos. É preciso rezar pelo Santo Padre, para que o Espírito Santo lhe dê luzes e graças especiais’.
O Pastor luterano Sune Wiman de Eskilstuna (Suécia) que manteve com Pe. Calábria um abundante intercâmbio epistolar, endereçou no dia 6 de março de 1964 uma carta de postulação ao papa Paulo VI para solicitar-lhe a glorificação do seu venerado amigo Pe. Calábria e indicando-o como: “válida ponte de união entre os cristãos e ponto de referência para a unidade.”

2° – Nos anos 30, enquanto o antissemitismo estava em alta em toda a Europa com a ascensão de Hitler. São João Calábria sempre se colocou contra e exortava os seus padres, irmãs e colaboradores para não colaborarem nem com os nazistas e nem com os fascistas. O É quando a Alemanha de Hitler ocupou a Itália e a perseguição aos poucos judeus que ainda residiam na Itália foram caçados, presos e mandados para Campos de concentração. São João Calábria orientava os seus a ajudarem os judeus em fugas ou escondidos. Escondeu a Doutora Mafalda Pavia, uma médica judia, filha de um grande amigo seu. salvando-a da perseguição nazista e fascista, ocultando-a entre as religiosas do seu Instituto, vestindo-a com o hábito delas, e com o nome de Irmã Beatriz e recomendou as freiras da casa: “Conheço a professora Pavia e é seus sentimentos. Ninguém, portanto, faça a mínima alusão nem a mínima pressão para levá-la a aderir a nossas crenças religiosas”. Viveu com elas por cerca de 18 meses Quando deram início ao processo de canonização de Pe. Calábria, escreve ao Papa Paulo VI e pede sua glorificação. Quando foi publicado na Itália as leis raciais nazistas, visitou e consolou o Rabino chefe de Verona, ofereceu ajuda a todos os judeus de sua congregação. E cumpriu o prometido. Pois nas casas dos Pobres Servos serviu de abrigo para muitos judeus perseguidos pelos naz-facistas italianos.

8 – LADAINHA DE SÃO JOÃO CALÁBRIA

Senhor – tende piedade de nós.
Jesus Cristo – tende piedade de nós.
Senhor – tende piedade de nós.

Jesus Cristo – ouvi-nos
Jesus Cristo – atendei-nos

São João Calábria, revelador da paternidade de Deus – Intercedei por nós.
São João Calábria, Campeão de evangélica Caridade – Intercedei por nós.
São João Calábria, Testemunho de fé inabalável – Intercedei por nós.
São João Calábria, Evangelho vivo – Intercedei por nós.
São João Calábria, Farol luminoso da Igreja de Cristo – Intercedei por nós.
São João Calábria, Pai dos pobres – Intercedei por nós.
São João Calábria, Homem de profunda oração – Intercedei por nós.
São João Calábria, Amante da Palavra e da Eucaristia – Intercedei por nós.
São João Calábria, Patrono da providência – Intercedei por nós.
São João Calábria – Modelo de coração apostólico – Intercedei por nós.
São João Calábria, Presença de pai para os abandonados – Intercedei por nós.
São João Calábria – Amigo da juventude – Intercedei por nós.
São João Calábria, Motivador das vocações e carismas – Intercedei por nós.
São João Calábria, Incentivador dos leigos na evangelização – Intercedei por nós.
São João Calábria, Precursor da unidade – Intercedei por nós.
São João Calábria, Vítima oferente para a humanidade – Intercedei por nós.
São João Calábria, Sensível aos sinais dos tempos – Intercedei por nós.
São João Calábria, Verdadeiro exemplo de humildade – Intercedei por nós.
São João Calábria, Devoto ardoroso da Virgem Maria – Intercedei por nós.
São João Calábria, Pai e protetor de toda Família Calábria na – Intercedei por nós.
São João Calábria, Apóstolo de caridade – Intercedei por nós.

Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo – perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo – ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo – tende piedade de nós.

Oremos:
Deus, Pai todo-poderoso, que para reavivar no mundo a confiança em vossa paternidade e o abandono filial à vossa Providência, suscitastes na Igreja o sacerdote João Calábria, concedei-nos, por sua intercessão, que, animados pelo mesmo espírito, possamos reconhecer e servir o vosso próprio Filho em nossos irmãos e irmãs pobres e sofredores. Por nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

9 – ORAÇÃO FINAL
(Comum dos santos homens – Liturgia das Horas)

“Ó Deus, só vós sois santo e sem vós ninguém pode ser bom. Pela intercessão de são São João Calábria, dai-nos viver de tal modo, que não sejamos despojados da vossa glória. Por nosso Senhor, Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.”

Pai Nosso…
Ave Maria…
Glória ao Pai…

São João Calábria, “campeão de evangélica caridade” – Rogai por nós.

Antônio Gomes

Consagrado na dimensão de Aliança da Comunidade Mariana Boa Semente

Missão Quixeramobim (Sede)

Fontes utilizadas:

Fontes consultadas:

– Liturgia das Horas – versão online
– Wikipedia
– livro:JuFamília Calabriana – A alegria da profecia Carta do Casante, Pe. Miguel Tofful, à Família Calabriana
– http://www.pobresservos.org.br
http://www.vatican.va/news_services/liturgy/saints/ns_lit_doc_19990418_giovanni-calabria_po.html

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Confira as atualizações dos Blogs!
Notoris - Agência Digital