11/01/2021

No Angelus, Papa pede para valorizar nossa identidade batismal

por Da redação, com Vatican News

O Santo Padre celebra o Batismo do Senhor convidando os fiéis a recordar a data de seu Batismo, o dia em que receberam o Espírito Santo e se tornaram filhos amados de Deus Da redação, com Vatican News Marcando a festa do Batismo do Senhor, o Papa Francisco refletiu sobre a Liturgia do dia que […]

O Santo Padre celebra o Batismo do Senhor convidando os fiéis a recordar a data de seu Batismo, o dia em que receberam o Espírito Santo e se tornaram filhos amados de Deus

Da redação, com Vatican News

Marcando a festa do Batismo do Senhor, o Papa Francisco refletiu sobre a Liturgia do dia que conta como a vida pública de Jesus começou.

Falando da Biblioteca Apostólica durante o Angelus deste domingo, 10, o Papa observou que depois da festa da Epifania, a Liturgia dá um salto de cerca de 30 anos, tempo “escondido” passado por Jesus com sua família, obedecendo a seus pais, estudando e trabalhando.

Todos os evangelistas, disse ele, narram sua vida pública que, dizem, durou cerca de três anos.

É impressionante, disse ele, que o Senhor passou a maior parte de seu tempo na Terra levando uma vida comum, sem se destacar.

“É uma bela mensagem para nós: revela a grandeza da vida quotidiana, a importância aos olhos de Deus de cada gesto e momento da vida, mesmo os mais simples e ocultos”, afirmou.

Depois desses 30 anos de vida oculta, continuou o Papa, a vida pública de Jesus começa com o batismo no rio Jordão.

Explicou que o batismo de João consistia num rito penitencial: “era um sinal da disponibilidade da pessoa para se converter, pedir perdão pelos seus pecados. Jesus certamente não precisava disso”.

O Senhor não nos salva do alto

E embora João Batista tente impedi-lo, o Senhor insiste, ele continua, porque Ele quer estar com os pecadores: “por isso ele se alia a eles e faz o mesmo que eles. Ele desce ao rio para mergulhar na mesma condição em que estamos. ”

No primeiro dia de seu ministério, disse o Papa, Jesus nos oferece assim o seu “manifesto programático”, dizendo-nos que “Ele não nos salva do alto, por decisão soberana ou ato de força, mas vindo ao nosso encontro e levando os nossos pecados sobre si. ”

É assim que Deus vence o mal mundano, disse ele, “humilhando-se e encarregando-se dele”.

É também assim, destacou, que podemos erguer os outros: “não julgando, não sugerindo o que fazer, mas tornando-nos vizinhos, empatizando, compartilhando o amor de Deus.

“Proximidade”, ele reiterou, “é o estilo de Deus conosco!”

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital