27/09/2020

DIA DE SÃO VICENTE DE PAULO

por Boa Semente | Antônio Gomes | Consagrado na dimensão de Aliança

    1- SINAL DA CRUZ   2 – VINDE ESPÍRITO SANTO…   3 – BIOGRAFIA DO SANTO   São Vicente nasceu na França, em 1581, em uma família de camponeses. Quando era adolescente, foi enviado para o colégio dos franciscanos na próspera cidade de Dax. Lá, entregou-se por completo aos estudos, mas começou a […]

 

 

1- SINAL DA CRUZ

 

2 – VINDE ESPÍRITO SANTO…

 

3 – BIOGRAFIA DO SANTO

 

São Vicente nasceu na França, em 1581, em uma família de camponeses. Quando era adolescente, foi enviado para o colégio dos franciscanos na próspera cidade de Dax. Lá, entregou-se por completo aos estudos, mas começou a sentir vergonha de suas origens.

Recebeu a tonsura e as ordens menores para, em seguida, entrar na Universidade de Toulouse, onde estudou teologia. Seu pai morreu e lhe deixou parte da herança para que pudesse pagar seus estudos, mas o jovem Vicente recusou a ajuda e decidiu cuidar de si mesmo. Por isso, trabalhou como educador em um colégio.

Foi ordenado em 1600 com apenas dezenove anos e preferiu continuar seus estudos, desejando ser bispo. Uma anciã, dama de Toulouse, deixou para ele uma herança econômica que ele teve que ir receber em Marselha. Quando retornava, o navio foi atacado pelos turcos e Vicente foi feito prisioneiro.

Diz-se que foi vendido como escravo e esteve a serviço de um pescador, de um médico e de um cristão renegado. A este último conseguiu converter e, assim, pôde empreender sua viagem de retorno até que chegou a Paris.

Mais tarde, serviu como pároco, mas teve que deixar a função para ser preceptor de uma ilustre família. No entanto, nessa vida de riqueza, começou a se dar conta de que o Evangelho exige uma caridade radical.

Assim, ao atender um moribundo, aprofundou no amor de Deus e começou a querer ir a todas as regiões remotas para expressar que existe um Deus de ternura que não os tinha esquecido.

Com o tempo, fundou a Congregação da Missão para dar missões populares e trabalhar na formação do clero. Do mesmo modo, foi cofundador com Santa Luísa de Marillac da Companhia das Filhas da Caridade.

Durante sua vida, São Vicente conheceu o Bispo São Francisco de Sales, que logo pediu que assumisse a capelania de suas Visitandinas de Paris e a direção espiritual de Santa Joana de Chantal.

Para São Vicente, a oração era o principal e apresentou a humildade como a primeira qualidade dos sacerdotes missionários. Sempre buscou a paz e a atenção aos necessitados, mesmo em meio às guerras de seu tempo, tornando-se conselheiro de governantes e verdadeiro amigo dos necessitados.

Partiu para a Casa do Pai em 27 de setembro de 1660, pouco antes das quatro da manhã, a hora que costumava se levantar para servir a Deus e aos pobres.

 

4 – ORAÇÃO INICIAL

Oração a São Vicente de Paulo

(atribuída a Santo Afonso de Ligório)

 

“Ó glorioso São Vicente, protetor de todas as obras de caridade e Pai de todos os desgraçados, vós, que jamais na vossa vida abandonastes a nenhum dos que vos imploraram, considerai a multidão dos males que pesam sobre nós e vinde em nosso auxílio: alcançai do Senhor socorro para os pobres, alívio para os enfermos, consolação para os aflitos, proteção para os desamparados, caridade para os ricos, conversão para os sacerdotes, paz para a Igreja, tranquilidade para as nações, e para todos a salvação. Fazei que todos  experimentemos  os  efeitos  da  vossa caridosa  intercessão, e, assim socorridos  por  vós  nas misérias  desta  vida,  sejamos reunidos convosco no céu, onde não haverá nem tristeza, nem lágrimas, nem dores, mas somente gozo, dita e bem-aventurança eterna. Assim seja.”

 

5 – PALAVRA DE SÃO JOÃO PAULO II SOBRE A ATUALIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO

 

“(…) Este olhar contemplativo sobre a epopeia vicentina, levar-nos-ia facilmente a dizer que São Vicente é um santo moderno. Sem dúvida, se ele reaparecesse hoje, não teria o mesmo campo de ação. Foram superadas muitas doenças que nos ensinou a curar. Entretanto, ele encontraria infalivelmente, o caminho dos pobres, dos novos pobres, nas concentrações urbanas de nosso tempo, como outrora nos campos. Imagine-se o que este arauto da misericórdia e da ternura de Deus seria capaz de empreender, utilizando com sabedoria, todos os meios modernos à nossa disposição! Numa palavra, sua vida se assemelharia ao que sempre foi: um evangelho generosamente aberto, com o mesmo cortejo de pobres, de doentes, de pecadores, de crianças infelizes e, também, de homens e mulheres a se dedicarem ao amor e ao serviço dos pobres. Todos, famintos de verdade e de amor, tanto quanto de alimento material e de cuidados corporais! Todos, a escutar o Cristo que continua a lhes dizer: ‘Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração!’ (Mt 11, 29)…” (São João Paulo ll – Carta ao superior-geral dos lazaristas por ocasião dos 400 anos de nascimento de São Vicente de Paulo. Em 12 de maio de 1981)

 

6 – DEVE-SE PREFERIR O SERVIÇO DOS POBRES ACIMA DE TUDO

 

“Não temos de avaliar os pobres por suas roupas e aspecto, nem pelos dotes de espírito que pareçam ter. Com frequência são ignorantes e curtos de inteligência. Mas muito pelo contrário, se considerardes os pobres à luz da fé, então percebereis que estão no lugar do Filho de Deus que escolheu ser pobre. De fato, em seu sofrimento, embora quase perdesse a aparência humana – loucura para os gentios, escândalo para os judeus – apresentou-se, no entanto, como o evangelizador dos pobres: Enviou-me para evangelizar os pobres (Lc 4,18). Devemos ter os mesmos sentimentos de Cristo e imitar aquilo que ele fez: ter cuidado pelos indigentes, consolá-los, auxiliá-los, dar-lhes valor.

 

Com efeito, Cristo quis nascer pobre, escolheu pobres para seus discípulos, fez-se servo dos pobres e de tal forma quis participar da condição deles, que declarou ser feito ou dito a ele mesmo tudo quanto de bom ou de mau se fizesse ou dissesse aos pobres. Deus ama os pobres, também ama aqueles que os amam. Quando alguém tem um amigo, inclui na mesma estima aqueles que demonstram amizade ou prestam obséquio ao amigo. Por isto esperamos que, graças aos pobres, sejamos amados por Deus. Visitando-os, pois, esforcemo-nos por entender os pobres e os indigentes e, compadecendo-nos deles, cheguemos ao ponto de poder dizer com o Apóstolo: Fiz-me tudo para todos (1Cor 9,22). Por este motivo, se é nossa intenção termos o coração sensível às necessidades e misérias do próximo, supliquemos a Deus que derrame em nós o sentimento de misericórdia e de compaixão, cumulando com ele nossos corações e guardando-os repletos.

 

Deve-se preferir o serviço dos pobres a tudo o mais e prestá-lo sem demora. Se na hora da oração for necessário dar remédios ou auxílio a algum pobre, ide tranquilos, oferecendo a Deus esta ação como se estivésseis em oração. Não vos perturbeis com angústia ou medo de estar pecando por causa de abandono da oração em favor do serviço dos pobres. Deus não é desprezado, se por causa de Deus dele nos afastarmos, quer dizer, interrompermos a obra de Deus, para realizá-la de outro modo.

 

Portanto, ao abandonardes a oração, a fim de socorrer a algum pobre, isto mesmo vos lembrará que o serviço é prestado a Deus. Pois a caridade é maior do que quaisquer regras, que, além do mais, devem todas tender a ela. E como a caridade é uma grande dama, faz-se necessário cumprir o que ordena. Por conseguinte, prestemos com renovado ardor nosso serviço aos pobres; de modo particular aos abandonados, indo mesmo à sua procura, pois nos foram dados como senhores e protetores (Dos Escritos de São Vicente de Paula – Cf. Correspondance, Entretiens, Documents, ed. P. Coste, Paris 1920-1925).

 

7 – LADAINHA DE SÃO VICENTE

De Dom Hélder Câmara

 

Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.

 

Jesus Cristo, ouvi-nos!

Jesus Cristo, atendei-nos!

 

Deus Pai misericordioso – Tende piedade de nós.

Deus Filho, sacramento de amor – Tende piedade de nós.

Deus, Espírito Santo – Tende piedade de nós.

Santíssima Trindade, fonte de caridade – Tende piedade de nós.

 

São Vicente de Paulo, adorador do Pai – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, seguidor de Jesus Cristo pobre e evangelizador dos pobres – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, sempre atento às luzes do Espírito Santo – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, fiel realizador da vontade de Deus e da Divina Providência – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que imitastes em vossa vida a humilde Virgem de Nazaré – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, instrumento da paternal caridade de Deus – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, patrono universal das obras de caridade e de promoção humana – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que por fidelidade e amor à Igreja trabalhastes pela sua renovação – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que fizestes uma opção clara e decidida pelos pobres – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que amastes a Deus com a força dos braços e com o suor do rosto – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que dedicastes vossa vida a tornar efetivo o Evangelho – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que, em Chantillon, descobristes e organizastes o apostolado do leigo – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que fundastes a Congregação da Missão para honrar Jesus Cristo na evangelização dos pobres – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, amigo e orientador de Luísa de Marillac – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que destes ao mundo a Companhia das Filhas da Caridade – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, imitador da mansidão de São Francisco de Sales – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, reformador do clero e da vida consagrada – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, multiplicador das vocações e agentes de pastoral – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que soubestes, a partir dos pobres, evangelizar os poderosos e ricos, chamando-os à conversão – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo , que lestes os sinais dos tempos, como palavra de Deus – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, que fizestes da própria vida um contínuo processo de conversão – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, gigante da caridade e – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, arauto da ternura e da misericórdia de Deus – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, exemplo de fé viva e de esperança dinâmica – Rogai por nós.

São Vicente de Paulo, exemplo de amor e justiça – Rogai por nós.

 

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo – Perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo – Ouvi-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo – Tende piedade de nós!

 

Oremos

Deus Pai, vosso Servo São Vicente sabia descobrir a presença de Deus no pobre. Ele sabia descobrir vosso filho Jesus Cristo no pobre: naqueles que estavam sofrendo, naqueles que estavam precisando dele. Pai, acendei no coração de todos nós este amor do qual estava cheio o coração de São Vicente.” Amém.

 

8 – ORAÇÃO FINAL

 

(das Laudes, da memória própria de São Vicente de Paula)

 

“Ó Deus, que, para socorro dos pobres e formação do clero, enriquecestes o presbítero São Vicente de Paulo com as virtudes apostólicas, fazei-nos, animados pelo mesmo espírito, amar o que ele amou e praticar o que ensinou. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.”

Pai Nosso…

Ave Maria…

Glória ao Pai…

 

São Vicente de Paulo, Pai da Caridade – Rogai por nós.

 

 

Antônio Gomes

Consagrado na dimensão de Aliança da Comunidade Mariana Boa Semente

Missão Quixeramobim (Sede)

Fontes utilizadas:

– Obras Completas de São Vicente de Paulo – Editora o Lutador

– Liturgia das Horas – Versão Online

– Wikipédia

– Bíblia Ave Maria – Versão Online

– livro: Meditações, de Santo Afonso de Ligório – Tomo II

-www.filhasdacaridade.com

-www.cmbrasil.com.br

– www.acidigital.com.br

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital