01/11/2017

Secularismo: combate às raízes cristãs

por Filipe Gonçalves Macêdo

E na causa disto tem grande parte a Ideologia de Gênero, intensificada nos últimos meses, que, de modo geral, tem a intenção de relativizar as raízes dos valores cristãos com o argumento falacioso do respeito e da tolerância às diferenças.

A inabalável fé de nosso povo nordestino, ícone da cultura e do jeito de ser do homem sertanejo, pode ser o parâmetro para se entender o cristianismo vivido no cotidiano. De fato, quando, ao nossa redor, dominam aspectos da cristandade (que caracterizou o ocidente por tantos séculos), parece lógico entender a universalidade da fé cristã. Contudo, alargando o horizonte de percepção para outras realidades, percebe-se que esta dedução é um equívoco no século XXI.

A mudança de eixo operada pela modernidade, cujo legado, por um lado, racionalista e, por outro, empirista, orientou o modo de pensar a partir do século XVI e provocou, paulatinamente, um movimento de “autorreferenciação” do homem: buscar em si a razão e o fim da existência. Acarretou-se, assim, o distanciamento entre os aspectos da razão e da fé, promovendo-se aquela em detrimento desta. Perdeu-se o equilíbrio mantido até então, negando-se a harmonia da qual o Papa João Paulo II fala na encíclica Fides et Ratio: “A fé e a razão constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade”.

Este processo, que resultou, em última análise, na relativização da moral e da verdade, tem como braço, atualmente, a promoção ideológica do secularismo, baseado em uma falsa ideia de diálogo com as diferenças e respeito às minorias. É o que tem acontecido generalizadamente na Europa em relação à recepção dos muçulmanos nos países de tradição profundamente marcada pelo cristianismo: nega-se a fé cristã e suas raízes em nome do respeito para com os novos habitantes do histórico continente europeu. É assim que vão desaparecendo lentamente os valores que orientaram a construção da civilização ocidental e a fizeram atravessar os séculos.

Mas, para evitar uma reflexão distante da realidade brasileira, pode-se voltar o olhar para o modo como o cristianismo é entendido entre nós. Se por um lado há ambientes que resguardam os costumes da cristandade, característica de diversas regiões do País, por outro lado deve-se levar em conta o profundo distanciamento da sociedade brasileira em relação à vivência cristã. Com exceção da religiosidade popular e das devoções que marcam nosso contexto, a vida dos cristãos não mais reflete em obras a fé professada com a voz.

Nesse âmbito, o campo em que tem estado mais evidente a crise de valores morais é o da família e seus correlatos. E na causa disto tem grande parte a Ideologia de Gênero, intensificada nos últimos meses, que, de modo geral, tem a intenção de relativizar as raízes dos valores cristãos com o argumento falacioso do respeito e da tolerância às diferenças. A contrapartida desta Ideologia é a negação da cultura e da fé dos brasileiros, cujas bases, desde o seu início, estão no cristianismo.

É necessário, pois, aos cristãos, estar atentos, na conjuntura atual, às investidas nada inocentes ou sem propósitos de tantos agentes que, ideologicamente, promovem a destruição das raízes cristãs da nação brasileira, agredindo não só a memória histórica de nosso país, mas principalmente o senso de fé e vivência religiosa da sociedade atual. Defender nossa fé, não por meio de doutrinação ideológica, o que seria repetir o equívoco do Gênero, mas através da defesa racional e justa. Como dizia um bispo, “diálogo se faz na verdade”.

 

Filipe Gonçalves Macêdo

Seminarista na diocese do Crato

1 Comentário
  1. sou Cristã, sustento minha fé nos ensinamentos de Jesus. amo São Francisco e o modelo cristãos proposto por ele. Sou católica praticante. sou casada, tenho 3 filhos…sou feliz. o respeito as diferenças é necessario. precisamos acolher as pessoas e encantá-las. Jesus arrastou multidões que mil anos depois estão firmes na fé.como cristãos devemos acolher, encantar. só assim ganharemos mais por meio do evangelho. seja quem for, de onde vinher, devemos levar a boa nova. não devemos nos fechar. temos o evangelho a nosso favor. por que temer? se compreendemos que essa tal Ideologia de gênero é uma afronta, vamos conversar a respeito, com paz, discernimento e sabedoria, iluminados pelo espirito santo. amém. Deus abomina o pecado, mas Ana o pecador. veja o que diz Mar 19,12 , creio que haja ai aberto um leque.. ou um guarda-chuva de idéias que podem ajudar, e muito as pessoas a se entenderem e aceitarem com paz que que os outros comportem-se e vivam em paz. sem a gente cobrar e exigir que eles se declararem seja lá o que for pra atender as nossas medíocres mentes maliciosas e futriqueiras. deixe cada um servir a Deus como é pode! é a graça acontece.

Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital