06/05/2017

Perseverar na oração e alcançar milagres

por

“Pedi e dar-se-vos-á, buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á!”(cf. Mt 7,7).

Jesus nos ensina por meio de seu exemplo, em tantos momentos de Sua vida pública, a elevar ao Pai preces de súplica e de ação de graças, como bem podemos recordar as passagens do Monte das Oliveiras (cf. Jo 8, 1-11) e sua ação de graças (cf. Mt 11, 25-26).

O Catecismo da Igreja Católica nos diz que oração é “a elevação da alma para Deus ou o pedido feito a Deus de bens convenientes” e acrescenta que a humildade é o seu fundamento. Somente de um coração submisso brota a confiança e, ao mesmo tempo, a gratidão, capazes de crer e aceitar os desígnios divinos.

A oração que agrada o coração de Deus é aquela que nasce do coração. A sinceridade no pensar, no querer e no falar, pois somente assim cresce a relação entre um filho e um Pai, entre o homem e Deus. A relação que o homem tem com Deus deveria ser sempre mais perfeita e verdadeira do que as que o humano constrói com os outros homens.

Orar é conversar, é ser íntimo, é confiar.

Crer que Deus pode nos conceder milagres nos leva a saber esperar, pois se Ele é o Todo Poderoso, e Ele O é, nos dará no tempo certo o seu favor. Crer com os sentidos, com as palavras e com as ações: perseverar nos altos e baixos da vida, sem murmurar e sem desistir ou procurar em outros lugares aquilo que só Deus pode nos conceder. Acima de tudo, fazer a nossa parte é essencial.

O primeiro milagre de Jesus aconteceu porque os serventes fizeram a sua parte, após ouvir de Maria a indicação: Fazei tudo o que Ele vos disser! O milagre da água transformada em vinho se deu no caminho, enquanto os serventes levavam as jarras para o mestre-sala. O milagre de Deus na minha e na sua vida e na vida das nossas famílias acontecerá na medida em que nos dispusermos a fazer a nossa parte e sair do comodismo, buscando as talhas de pedra para enchê-las até a tampa.

Estamos acostumados a ouvir as pessoas nos pedindo orações: reze por mim, reze por tal situação. E eu sempre me pergunto: qual a contribuição que essa pessoa faz para que o milagre aconteça na sua vida? Será que estamos rezando por nossas necessidades ou estamos delegando essa tarefa às outras pessoas ou até mesmo aos Santos, esquecendo-nos de fazer nossa parte?

Perseverar na intimidade com Deus para conseguir dEle a certeza de que Ele cuida de nós e, por isso, nos concederá o melhor, é atitude essencial para que caminhemos, mesmo que com os pés cansados, mas com um coração sempre feliz porque podemos dizer assim como São Paulo: “Eu sei em quem eu pus minha esperança!” (cf. 2Tm 1, 12).

Um homem de oração é capaz de tudo, assim afirma São Vicente de Paulo. E, pessoalmente, posso constatar isso, pois somente na oração eu consigo perceber o quanto sou fraco e necessitado de perseverar para ver os milagres concretamente na minha vida. Amparado pela graça de Deus, já experimentei muitos milagres, seria até difícil elencar. Convido você a fazer a experiência da oração diária por meio da Lectio Divina, acompanhada do Santo Terço e das diversas formas que, durante o dia, o Senhor nos proporciona como momentos de oração, seja no irmão que eu encontro ou seja no irmão que eu desprezo.

 

Antônio Durval de Almeida Viana Filho

Noviço na dimensão de Aliança da Comunidade Mariana Boa Semente

Seminarista , cursando Teologia,  da diocese de Quixadá

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital