16/11/2015

O que fazer diante do terrorismo e da violência que assolam o mundo?

por Vanilton Lima Missionário da Comunidade Católica Shalom

Diante do que aconteceu na última sexta-feira em Paris, um atentado não apenas à nação francesa, mas ao mundo inteiro, fica uma pergunta para nós, cristãos: qual deve ser a nossa postura diante dessas atrocidades que tem acontecido com tanta frequência ultimamente? O que devemos fazer de concreto para barrar essa onda de violência, de […]

Diante do que aconteceu na última sexta-feira em Paris, um atentado não apenas à nação francesa, mas ao mundo inteiro, fica uma pergunta para nós, cristãos: qual deve ser a nossa postura diante dessas atrocidades que tem acontecido com tanta frequência ultimamente? O que devemos fazer de concreto para barrar essa onda de violência, de ódio, morte e destruição do homem? O que fazer concretamente, como cristãos, para barrar tudo isso?

Antes de tudo, devemos lembrar o que nos diz Jesus Cristo no Evangelho de São João, capítulo 10, versículo 10: “O ladrão veio para roubar, matar e destruir”. Essa tem sido a tática, a ação do inimigo desde os tempos de Adão e Eva. É isso que tão fortemente presenciamos ao nosso redor, no mundo em todas as esferas da nossa sociedade, no meio dos jovens, em nossas famílias, etc. Essa terrível e constante onda de atentados terroristas que presenciamos, diante dos quais ficamos perplexos, sem palavra e desperta dentro de nós dor, comoção e uma certa raiva, revolta por aqueles que promoveram. É notório que a violência aumentou expressivamente em nossa sociedade, no mundo de modo geral nos últimos tempos. Percebe-se que o mal tenta se fortalecer a cada dia. Percebemos por trás disso tudo um espírito de ódio, raiva, destruição que tem tomado conta de muitos corações, povos e nações. Espírito que deseja acabar, destruir aqueles a quem o Senhor Deus criou a sua imagem e semelhança.

Esse inimigo terrível tem um nome, demônio ou satanás. Ele tem um terrível ódio do homem. Ele não aceita o fato de que o nosso Deus tenha nos tenha criado a sua imagem e semelhança. Ele não aceita o fato de que Jesus se fez carne e habita entre nós. Ele não aceita o fato de sermos amados infinitamente pelo por Deus. Ele não aceita o fato do criador ter escolhido uma criatura, uma mulher para ser mãe do verbo que se encarnou. Ele não aceita em hipótese alguma o amor, misericórdia e compaixão do nosso Deus por nós, pobres mortais. Diante dessas verdades ele tem agido desde o começo da história humana com ações concretas para destruir o homem, a imagem e semelhança de Deus. Isso explica as guerras, os atentados, o aborto, a pena de morte, os conflitos entre povos e nações, o tráfico de pessoas, o narcotráfico, a prostituição infantil, a legalização das drogas, as chacinas e toda e qualquer ação para destruir a vida do homem nessa terra.

Diante dessa realidade tão forte e visível aos nossos olhos, antes de tudo devemos olhar o nosso interior e reconhecer como anda nossa comunhão com o Senhor. Como anda minha comunhão com meus irmãos, minha família, amigos, pessoas com quem estudo, trabalho, convivo. Como anda minha conversão diária. Temos com o auxílio do Espirito Santo converter nosso coração a JESUS o príncipe da Paz. Essa é a melhor maneira de combater o mal que nasce dentro de nós e que facilmente se propaga velozmente ao nosso redor.

Temos que olhar para o mundo, para esses acontecimentos com um olhar de compaixão e misericórdia por aqueles que estão sofrendo. Precisamos ter o mesmo olhar de JSUS que olha o homem com amor, misericórdia. Temos que ter muito cuidado para que o nosso coração não se ancha de ira, raiva e ódio por aqueles que cometem tais atos bárbaros. Nossa postura precisa ser de cristãos e não de pagãos. Nossa resposta diante de tudo isso por mais terrível que seja, por mais que despertem dentro de nós raiva, revolta, etc., deve ser a oração, a compaixão e misericórdia. Os que promovem essas atrocidades, incitam o ódio contra seus semelhantes não conheceram a Deus, não experimentaram do seu amor de Pai. Não foram evangelizadas. O Evangelho ainda não chegou até seus corações.

Qual deve ser nossa postura concreta diante de atos bárbaros como o que aconteceu me Paris na última sexta, dia 13 e que chocou o mundo? O que fazer como Cristão para barrar o mal dentro de fora de nós? É possível fazer algo concreto? Sim, é possível. Segue algumas ações concretas que devemos ter diante de tudo isso:

1. Suplicar ao Senhor a graça constante do arrependimento de coração;
2. Vivência dos Sacramentos. Em especial a confissão frequente e a Eucaristia diária, se possível.
3. Adorar com mais frequência a JESUS Eucarístico.
4. Recorrer à intercessão materna de Nossa Senhora, a Rainha da Paz. Rezar o rosário se possível diariamente, bem como o ofício de Nossa Senhora. Invocar a intercessão daquela que esmaga a cabeça da serpente. O inimigo tem medo e foge da presença de Nossa Senhora.
5. Oração de intercessão. Usando da nossa autoridade de batizados, Igreja militante que somos, orar com autoridade. Isso implica reprender todo e qualquer mal que age no mundo atualmente. Temos que usar da autoridade de Cristo JESUS e reprender, expulsar todo e qualquer espírito de morte e destruição. A oração de intercessão é muito importante e eficaz.
6. Jejuar com frequência. O jejum vivido em favor da paz, em favor das vítimas da violência, do terrorismo.
7. Vigiar o coração. Está atento para o que entra e sai do nosso coração. Mante – ló sempre em comunhão com o Senhor e com o próximo.

Essas são ações concretas que devemos ter como Cristãos para promover a Paz. Ações regadas de muita misericórdia e compaixão. Ações de Paz e não de guerra. Nunca, jamais devemos pagar o mal com o mal. Nunca jamais devemos deixar que o ódio tome conta do nosso coração diante de tais acontecimentos. Que Nossa Senhora a Rainha da Paz pacifica o nosso interior e cubra com seu manto todas as nações.

Vanilton Lima
Missionário da Comunidade Católica Shalom

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital