Artigos

23/01/2019

Não quero falar

O silêncio pode ser um estado de ‘deoversão’: um movimento interior em direção a Deus, de profunda comunhão com Ele. 18 janeiro 2019 O silêncio é muito importante em nossas vidas. Mais do que a simples ausência de palavras, entendemos o silêncio como uma capacidade para estar atento e guardar os fatos no coração, tal como fazia Maria, Mãe de Jesus e […]

O silêncio pode ser um estado de ‘deoversão’: um movimento interior em direção a Deus, de profunda comunhão com Ele.

O silêncio é muito importante em nossas vidas. Mais do que a simples ausência de palavras, entendemos o silêncio como uma capacidade para estar atento e guardar os fatos no coração, tal como fazia Maria, Mãe de Jesus e nossa.

O homem e a mulher silentes discernem quando é conveniente falar e quando é conveniente calar. O critério fundamental para este discernimento é a caridade.

Pergunte-se, então, a si mesmo ou a si mesma: qual é a razão desse meu desejo de calar, neste momento particular da minha vida? Às vezes, este desejo pode responder a uma necessidade que tenho de estar a sós com Deus, de ouvir com mais clareza a sua voz, de deixar que a sua Palavra acaricie e renove meu coração, depois de um momento muito intenso de atividade. Se este for o caso, o ‘não querer falar’ parece plenamente justificado e, inclusive, pode ser uma manifestação de um chamado especial que Deus me faz neste momento particular da minha vida.

No seu livro sobre o Cardeal Newman, o Padre Penido traça a personalidade do santo inglês e, entre um dos aspectos que descobre, figura a “deoversão” que, sob um olhar superficial, pode passar por uma simples “introversão”. Qual é a diferença entre estes dois conceitos? Enquanto a introversão refere-se ao estar ensimesmado, ou “voltado para dentro de si mesmo”, a “deoversão” significa um movimento interior em direção a Deus, uma espécie de subida que a pessoa faz, na sua experiência de comunhão com Ele.

Esta constatação de que a solidão não é o mais profundo em nós, já que fomos criados à imagem e semelhança de Deus, e feitos partícipes, pelo nosso Batismo, do amor trinitário, está também presente numa das obras literárias de Karol Wojtyla (depois Papa João Paulo II). Referimo-nos à sua obra teatral “Raio de paternidade”:

“Não me fizestes como um ser fechado, não me fechastes totalmente.
A solidão não está de fato no mais profundo do meu ser, senão que emerge em um ponto bem preciso”.

Muitas vezes em nossas vidas, a resposta mais adequada às situações e pessoas com as quais lidamos é realmente a de calar, a de rezar e pedir a Deus alguma luz, antes de dizer ou fazer alguma coisa concreta. Isto não significa isolamento, mas, pelo contrário, reverência e constatação de que precisamos da ajuda de Deus para nós mesmos sermos de alguma ajuda aos outros. Pode ser que, em algumas situações, realmente Deus nos peça a nossa intervenção, inclusive através de uma correção fraterna. Os mestres espirituais dizem que isto nunca deve ser feito em momentos de ira ou exaltação, mas quando estivermos tranquilos.

O silêncio não significa isolamento, mas pelo contrário, constatação de que precisamos da ajuda de Deus para nós mesmos sermos de alguma ajuda aos outros.

A outra pessoa deve perceber que a nossa intenção é realmente a de ajudar. Mesmo assim, em ocasiões a nossa correção pode não ser bem aceita num primeiro momento. Isso foi previsto por Nosso Senhor, quando explicou aos seus discípulos como devia ser feita a correção numa comunidade cristã (Cf. Mt 18,15-18).

O máximo exemplo de silêncio, o encontramos no Senhor Jesus. Basta uma leitura atenta da sua Paixão para percebermos como o Senhor escolhe os momentos para calar e falar, sempre visando a salvação de todos, inclusive daqueles que O crucificaram.

Depois Dele, a Nossa Mãe Santa Maria nos oferece um belo exemplo de silêncio. São pouquíssimas as suas palavras nos Evangelhos, sempre reverentes e em sintonia com a vontade de Deus. Quiçá um dos momentos mais emblemáticos é o das Bodas de Caná, passagem que é uma verdadeira escola de silêncio e de intimidade com seu Filho, expressa em gestos e palavras. O que a leva a intervir, a pedir o milagre é a preocupação pelos noivos, próprias da mãe e da intercessora que é de todos os homens e mulheres.

Peçamos a Ela que nos ajude a viver o silêncio, a saber quando falar e quando calar, para que ambos sejam em nós uma concretização do amor, tal como o foram na vida Dela.

Oração a Nossa Senhora do Silêncio

Envolve-nos em teu manto, Nossa Senhora do Silêncio

Nossa Senhora do Silêncio e da Humildade, tu vives perdida e encontrada no mar sem fundo do Mistério do Senhor.

Tu és disponibilidade e receptividade. Tu és fecundidade e plenitude. Tu és atenção e solicitude pelos irmãos.

Estás revestidas de fortaleza. Resplandecem em ti a maturidade humana e a elegância espiritual. És senhora de ti mesma antes de ser Nossa Senhora.

Em ti não existe dispersão. Em um ato simples e total, tua alma, toda imóvel, está paralisada e identificada com o Senhor. Estás dentro de Deus, e Deus dentro de ti. O Mistério total te envolve, penetra e possui, ocupa e entrega todo o teu ser.

Parece que em ti tudo ficou parado, tudo se identificou contigo: o tempo, o espaço, a palavra, a música, o silêncio, a mulher, Deus. Tudo ficou assumido em ti, e divinizado.

Jamais se viu figura humana de tamanha doçura, nem se voltará a ver nesta terra uma mulher tão inefavelmente evocadora.

Entretanto, teu silêncio não é ausência, mas presença. Estás abismada no Senhor e, ao mesmo tempo, atenta aos irmãos, como em Caná. A comunicação nunca é tão profunda como quando não se diz nada, e o silêncio nunca é tão eloquente como quando nada se comunica.

Faze-nos compreender que o silêncio não é desinteressante pelos irmãos, mas fonte de energia e irradiação, não é encolhimento, mas projeção. Faz-nos compreender que, para derramar, é preciso preencher-se.

Afoga-se o mundo no mar da dispersão, e não é possível amar os irmãos com um coração disperso. Faze-nos compreender que o apostolado, sem silêncio, é alienação; e que o silêncio, sem apostolado, é comodidade.

Envolve-nos em teu manto de silêncio e comunica-nos a fortaleza de tua fé, a altura de tua esperança e a profundidade de teu amor.

Fica com os que ficam e vem com os que partem. Ó Mãe Admirável do Silêncio!

Amém.

Nossa Senhora do Silêncio, rogai por nós!

(Autor: Ignacio Larratarre


0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Confira as atualizações dos Blogs!
Notoris - Agência Digital