11/10/2015

Namorar uma pessoa mais velha dá certo?

por Canção Nova

Muitas pessoas vivem, no namoro, uma “neura” de seus desejos e aspirações O namoro é um tempo fantástico de conhecimento da pessoa com quem namoramos. Buscamos conhecê-la e ela o mesmo. Assim, de fato, acontecerão pontos de convergência e divergência. Afinal, são duas pessoas diferentes, de contextos e educação diferentes; às vezes, até culturas distintas. […]

Muitas pessoas vivem, no namoro, uma “neura” de seus desejos e aspirações

O namoro é um tempo fantástico de conhecimento da pessoa com quem namoramos. Buscamos conhecê-la e ela o mesmo. Assim, de fato, acontecerão pontos de convergência e divergência. Afinal, são duas pessoas diferentes, de contextos e educação diferentes; às vezes, até culturas distintas. Eu quis enfatizar a palavra “diferente”, porque um namoro para dar certo não pode ser a somatória do que o casal tem como “iguais”, mas sim a capacidade de acordos frente às diferenças.

O que é igual raramente será um problema a ser resolvido entre os dois, a menos que o social exija isso de vocês; então, terão de, juntos, buscar um “acordo”. O que “pega” são as diferenças, pois nelas mora a “caixa de pandora” da crise, mas também é onde se encontra o “pó de pirlimpimpim” para o sucesso do casal. Só pessoas capazes de fazer acordos livres e saudáveis entre as diferenças se beneficiam de maneira madura de uma relação afetiva. Ambos crescem.

Com base nisso, podemos pensar um pouco sobre a pergunta que intitula este texto: “Namorar uma pessoa mais velha dá certo?”.

O simples fato de namorar alguém mais velho não é caso de dar errado ou certo, o detalhe não está numa questão de idade, mas na capacidade de lidar com os diferentes. E isso vale até para quem é da mesma idade!

A primeira coisa a ser desmitificada é o fato de que, nem sempre, sua idade cronológica bate com sua idade afetiva. Podemos perceber isso em pessoas com 30, 40 anos. Elas muitas vezes, tem uma idade afetiva beirando os 15, 20 anos; até mesmo algumas pessoas entre 20 e 30 anos possuem idade afetiva beirando os 40, 50 anos. O fato de chegar aos 40, 50 anos não significa que a pessoa seja maduro, pois maturidade é a idade afetiva compatível ao que se espera da idade cronológica) . Então, idade cronológica não define muita coisa!

A segunda coisa é: “O que, de fato, me impulsiona nesse relacionamento?”. Muitas pessoas vivem, no namoro, uma “neura” de seus desejos e aspirações. Elas depositam no outro suas “esperanças”, “expectativas” e “faltas”. Nessa hora, posso lhe dizer que a relação caminha à beira do suicídio. Podemos, então, pensar que pessoas de idades mais aproximadas tenham mais possibilidades de se encontrar devido às aspirações e vivências de vida. Isso já é um ganho! Pessoas com vivências diferentes terão de fazer muito mais acordos na relação. Por exemplo: um rapaz, no auge dos seus 20 anos, pensando na faculdade, curso, intercâmbio… resolve namorar uma mulher de 30 anos, já formada, com doutorado nas mãos, pensando em ser casar-se e ser mãe. Pode dar certo, mas terão de fazer muito mais acordos para solidificar a relação. É por isso que eu lhe digo: o que dará sucesso ou não à relação serão as motivações de cada um, se estas forem em prol da relação dos dois, nunca fechado no particular de cada um.

Obs.: usei o rapaz mais novo e a mulher mais velha, mas o mesmo diria de uma mulher mais nova e uma homem mais velho).

Terceiro fato: não fazer do relacionamento um jogo de projeções. Isso pode acontecer quando a diferença de idade, na verdade, é reflexo de uma busca louca em encontrar no outro o que não tive ou me falta. Por exemplo: querer namorar uma menina mais nova para ter a “sensação” de permanecer o eterno garoto. Ou namorar uma mulher mais velha, querendo, assim, mais os “cuidados maternos” que, de fato, de uma namorada.

Um quarto e último ponto que gostaria de tocar é o quanto, neste namoro de pessoas de idades diferentes, há uma cumplicidade e verdade frente ao que cada um sente. Pois se isso for uma aliança frágil, as pressões da família, da sociedade, dos amigos enfraquecerão a relação. Ou seja, o que cada um sente é forte o bastante para que o relacionamento prossiga? Ou o olhar do outro sobre vocês será persecutório demais não fazendo vocês suportarem?

Enfim, o sucesso de um relacionamento não depende muito das diferenças das idades, mas sim no quanto as motivações, a maturidade, as projeções e os desejos estão afinados. O quanto, de fato, essa relação de namoro enriquece ambos na construção de uma família sólida e feliz!

É bom ficar atendo às discrepâncias tão grandes que possam surgir. Exemplo: um cara de 20 anos querer namorar uma mulher de 60 anos, ou uma de 60 namorar um rapaz de 20. Será que quer uma mulher ou uma avó para cuidar dele? Termino esse texto não querendo ser polêmico ou preconceituoso, mas para fazer refletir o que de fato tem nos movimentado!

Fonte: Canção Nova

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Lojinha Boa Semente Faça seu Pedido: (88) 9 9772-3677

Notoris - Agência Digital