Artigos

10/03/2020

“EU FUGIRIA PARA LONGE E PERNOITARIA NO DESERTO” (Sl 54(55), 8)

Escrevo esse texto na terça-feira que antecede o período quaresmal. Ainda é carnaval e o salmista parece olhar da janela de sua casa: “sim, eu vejo a violência e a discórdia na cidade: dia e noite elas rondam…”. Antes, exclamara: “quem me dera ter asas como pomba para eu sair voando e pousar… Sim, eu […]

Escrevo esse texto na terça-feira que antecede o período quaresmal. Ainda é carnaval e o salmista parece olhar da janela de sua casa: “sim, eu vejo a violência e a discórdia na cidade: dia e noite elas rondam…”. Antes, exclamara: “quem me dera ter asas como pomba para eu sair voando e pousar… Sim, eu fugiria para longe e pernoitaria no deserto”. Para além da interpretação literal que bem seria adequada, nesse desejo de ir ao deserto e fugir da violência da cidade, sinto um convite para o tempo quaresmal que se achega e talvez seja útil compartilhar: mais uma vez, é tempo de ir ao deserto!

É possível que minha interpretação contenha alguma imprecisão, mas penso que há uma diferença simbólica entre o deserto e a montanha. A montanha simboliza o lugar do encontro, já o deserto o da solidão. Há calor, sede, silêncio e SOLIDÃO no deserto. Na montanha do encontro, há o gozo, a satisfação, o embevecimento da presença, o êxtase.

O deserto não é uma experiência “gratificante” ou “consoladora”. Nunca estive em um, mas basta um dia quente no meio do sertão do nosso Quixeramobim pra me fazer imaginar que não deve ser uma experiência agradável. Por que será que o Senhor nos convida ao deserto, à sede, ao calor, ao silêncio e à solidão?

No deserto, quando saímos da violência e da discórdia “da cidade”, estamos a sós. E o que encontramos nessa solidão? E o que achamos em nossa casa interior? Dou-lhes a palavra a São Luís Maria Grignion de Monfort: “Não temos como próprio senão o orgulho e a cegueira no espírito, a dureza no coração, a fraqueza e a inconstância na alma, a concupiscência, as paixões revoltosas e as doenças no corpo. Somos naturalmente mais orgulhosos que o pavão, mais presos a terra que sapos, mais repulsivos que bodes, mais vorazes que serpentes, mais gulosos que porcos, mais coléricos que tigres, mais preguiçosos que tartarugas, mais fracos que capim e mais inconstantes que cata-ventos”.

No deserto do autoconhecimento encontramos a nossa miséria, um dos aposentos das primeiras moradas de nosso castelo interior, na descrição de Santa Teresa. Por certo, o autoconhecimento não é uma experiência “gozosa”, senão dolorosa. Daí a proximidade simbólica com as experiências sensitivamente negativas do deserto (sede, calor, silêncio e solidão).

Ah, Senhor, dá-nos coragem para o deserto do encontro com nossa miséria nesse retiro quaresmal! Que tenhamos a coragem de sair da agitação da cidade e viver o silêncio interior que revela o nosso mau fundamento!

Entregamo-nos a ti ó Mãe! Sem tua companhia a dureza do deserto poderia nos ser insuportável. Quantos desistimos por medo! Ah, Mãe, segurando em tua mão e nas mãos da santinha da pequena via queremos contemplar o Cristo e ver, por Seus olhos cheios de amor, o nosso nada. Lançar nossa miséria no Seu coração transpassado e sermos curados e libertos pela vida que brota do seu peito aberto. Amém!

Deus lhes abençoe e Maria lhes guarde!

Daniel Rubens Santiago,

Graduado em Psicologia pela UNICATOLICA e Mestre em Psicologia pela UFC.

3 Comentários
  1. Carlos Roberto Martins disse:

    Expressão de afago à minha pobre alma sedenta do deserto divino,do aconchego do silêncio por inteiro e de uma entrega a penitência Quaresmal…uma dádiva silenciosa ,um grito de alerta,uma exortação em período de profunda conversão…um reencontro com o amado…é belioso é uma alegria…Deus te abençoe Daniel na cova dos Leões.

  2. Mayse Soares de Almeida disse:

    Palavras sábias de quem verdadeiramente sabe o limiar entre Deus e nós pobres miseráveis criaturas mas que com a graça de Deus alcança a liberdade de voar p os braços do Pai.Obrigada Daniel.Deus nos abençoe e Maria nos guarde irmão.

  3. Jéssica de Sousa disse:

    Muito bom, boa reflexão nos traz o irmão, sim, o autoconhecimento primeiro passo para vivência em santidade. Amém. Deus sempre nos fala e sempre nos acrescenta. Amém.

Deixe o seu comentário!

Confira as atualizações dos Blogs!
Notoris - Agência Digital