Artigos

12/06/2020

3° DIA DO TRÍDUO A SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA (Sexta-feira)

1 – SINAL DA CRUZ.   2 – VINDE ESPÍRITO SANTO.   3 – ORAÇÃO INICIAL. “Ó  Espírito  Santo,  que  é  amor  do  Pai  e  do  Filho,  se  digne  cobrir  com  a  sua  caridade  a  multidão  dos  nossos  pecados.  A  ele  é devida  honra  e  glória  pelos  séculos  dos  séculos.  Assim  seja.” (Santo Antônio de […]

1 – SINAL DA CRUZ.

 

2 – VINDE ESPÍRITO SANTO.

 

3 – ORAÇÃO INICIAL.

“Ó  Espírito  Santo,  que  é  amor  do  Pai  e  do  Filho,  se  digne  cobrir  com  a  sua  caridade  a  multidão  dos  nossos  pecados.  A  ele  é devida  honra  e  glória  pelos  séculos  dos  séculos.  Assim  seja.” (Santo Antônio de Pádua).

 

4 – O QUE DIZ A IGREJA SOBRE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA.

Pio XI, na sua Carta Apostólica Antoníana Sollemnia, publicada em l de março de 1931 por ocasião do sétimo centenário da morte do santo:

 

“O taumaturgo de Pádua levou à sociedade do seu proceloso tempo, contaminada por maus costumes, os esplendores da sua sabedoria cristã e o suave perfume das suas virtudes… O vigor do seu apostolado manifestou-se de modo especial na Itália. Foi este o campo das suas extraordinárias fadigas.

Com isto, porém, não se quer excluir outras muitas regiões da França, porque Antônio, sem distinção de raças ou de nações, a todos abençoava no âmbito da sua actividade apostólica: portugueses, africanos, italianos e franceses, a todos, enfim, a quem reconhecesse necessitados do ensinamento católico. Combateu depois com tal ardor e com tão feliz êxito contra os hereges, isto é, contra os Albigenses, Cátaros e Patarenos, na época enfurecidos quase por toda a parte a tentarem extinguir no ânimo dos fiéis a luz da verdadeira fé, que foi chamado com razão ‘martelo dos hereges’.”

 

5 – MEDITAÇÃO COM SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA.

3° PARTE DO: SERMÃO DO DOMINGO DA SEXAGÉSIMA.

PARÁBOLA DO SEMEADOR : Mateus 13, 1-9, Marcos 4, 3-9 e Lucas 8, 4-8.

(continuando)

 

9. Estes espinhos e os animais ferozes, conforme dissemos, significam, para nós, os pérfidos usurários. Deles escreve o Profeta (92): É teu este mar tão grande e de longos braços; nele pululam répteis sem número, animais pequenos e grandes. Pelo meio deles transitarão os navios. Nota as palavras: Este mar é o mundo cheio de amargura; é grande, por suas riquezas; largo por suas delícias, porque largo é o caminho que conduz à morte (93).

Mas para quem? Não para os pobres de Cristo, que entram pela porta estreita (94), mas para as mãos dos usurários, mãos que já se apoderaram do mundo inteiro. É a sua usura que empobrece as igrejas, despoja os mosteiros dos seus bens. Por isso, o Senhor se queixa deles por boca de Joel (95): Um povo forte e inumerável invadirá a minha terra; os seus dentes serão como os do leão, os seus queixais como os dum leãozinho. Este povo reduziu a minha vinha a um deserto e tirou a casca à minha figueira; ele a despojou inteiramente; os seis ramos tornaram-se brancos.

Um povo maldito de usurários, forte e inumerável, cresceu sobre a terra. Os seus dentes são como os dentes dum leão. Nota duas propriedades no leão: um pescoço inflexível, feito dum só osso (96), e o fedor dos dentes (97). Assim o usurário é inflexível, porque não reverencia a Deus nem teme o homem (98); os seus dentes cheiram mal, por motivo de existir sempre na sua boca o estrume da pecúnia e o esterco da usura.

Os seus queixais são como leãozinhos, porque arrebata, mastiga e devora os bens dos pobres, dos órfãos e das viúvas. Ele reduz a vinha, isto é, a Igreja do Senhor, a um deserto, ao reter as suas propriedades com usuras, e tira a casca da figueira do Senhor, isto é, a cada de alguma comunidade, e despoja-a inteiramente ao apropriar-se, por usuras, dos bens oferecidos pelos fiéis à mesma comunidade. E, por isso, os seus ramos tornaram-se brancos, isto é, os monges e os cônegos, ali professos, são mortificados pela fome e pela sede. Eis as mãos que distribuem esmolas! Nelas foi encontrado o sangue dos pobres. Deles ainda se ajunta no Salmo: Ali, isto é, no mundo, existem répteis sem número etc.

Nota aqui três gêneros de usurários: Há quem pratique a usura à socapa: são os répteis, que se escondem e rastejam e são inumeráveis. Há outros que procedem abertamente, mas não em grande quantidade, a fim de parecerem misericordiosos: são os animais pequenos. Outros são pérfidos, desesperados, e usurários profissionais, que recebem e praticam a usura diante de todos, às claras, como em plena praça pública: são os animais grandes, mais cruéis que os restantes.

Mas o caçador, o diabo, os apanhará e os abaterá com o machado da morte eterna, a não ser que restituam o mal adquirido e façam depois penitência. E para que a possam fazer, os navios, isto é, os pregadores da Igreja, devem transitar e lançar a semente da palavra de Deus para o meio deles. Mas por exigência dos nossos pecados, os espinhos das riquezas e os animais ferozes das usuras sufocam a palavra tão constantemente semeada, e por este motivo não produzem fruto de penitência.

 

10. Segue: E outra caiu em terra boa, e uma vez nascida deu fruto (99), uma trinta, outra sessenta e outra cem (100). E o quarto compartimento na arca de Noé foi o dos animais mansos, e o quinto o dos homens e das aves. Vede, caríssimos, que nas sobreditas três coisas: no caminho dos luxuriosos, que é a esterqueira, no rochedo dos soberbos religiosos, que é o armazém, nos espinhos dos avarentos e dos usurários, que são os animais ferozes, não pode frutificar a semente da palavra de Deus. E, por isso, os fiéis da Santa Igreja, no Intróito da missa de hoje, clamam no Senhor: Levanta-te, porque dormes (101)?

Nota que dizem três vezes: Levanta-te, por causa destes três objetos: o caminho, o rochedo e os espinhos. Levanta-te, portanto, Senhor, contra os luxuriosos, caminho do diabo, que, por dormirem no peado, crêem que tu dormes. Levanta-te contra os falsos religiosos, que são como pedra sem a umidade da graça. Levanta-te contra os usurários, que são como espinhos pungentes, e ajuda a livrar-nos (102) das suas mãos. Nestes três objetos, a semente da tua palavra, Senhor, não pode frutificar, mas quando caiu em boa terra, produziu fruto.

 

11. E vê como concordam bem a terra boa, os animais mansos, os homens e as aves, que significam os justos e os penitentes, os ativos e os contemplativos. A boa terra, que o Senhor abençoou, é o entendimento do justo, do qual se escreve no Salmo (103): A terra toda te adore e te cante salmos; cante um salmo ao teu nome. A terra toda compreende o Oriente, o Ocidente, o Aquilão (Norte) e o Austral (Sul).

De fato, o entendimento do justo deve ser terra oriental, pela consideração do seu nascimento; ocidental, pela lembrança da sua morte; aquilonar (norte), considerando as tentações e misérias deste mundo; austral (sul), pela contemplação da felicidade eterna. Portanto, a terra toda, isto é, o entendimento bom do justo, te adore, ó Deus, em espírito e verdade (104) e de coração contrito: este é o fruto a trinta por um; e te cante salmos na confissão do teu nome e na acusação do seu crime: este é o fruto a sessenta por um.

Nestas duas coisas devemos cantar salmos a Deus nos seis dias de vida laboriosa. E cante um salmo ao teu nome na satisfação de obra e na perseverança final: e este é o fruto a cem por um e número perfeito.

 

12. Por outras palavras: A boa terra é a Santa Igreja (105), a arca de Noé (106), que em si contém animais mansos, homens e aves. Os animais mansos significam os fiéis casados que se aplicam a obras de penitência, dão do seu aos pobres, a ninguém lesam (107). Deles escreve o Apóstolo (108) na Epístola de hoje: De bom grado sofreis os insensatos, sendo vós mesmos sensatos. Porque sofreis quem vos põe em escravidão, quem vos devora, quem vos rouba, quem se exalta, quem vos dá na cara.

Estes produzem fruto a trinta por um. Os homens significam os continentes e os ativos, que verdadeiramente são homens, por usarem da razão; estes submetem-se ao trabalho da vida ativa, expõem-se ao perigo a favor do próximo, pregam a vida eterna pelo exemplo e pela palavra, vigiam-se a si e aos seus súditos (109). Estes, como ajunta o Apóstolo (110), vivem no trabalho e na aflição, em muitas vigílias, na fome e na sede, em muitos jejuns, no frio e na nudez, etc.: E estes produzem fruto a sessenta por um.

As aves na parte superior da arca significam as virgens e os contemplativos, que, elevados ao ar por meio das penas das virtudes, contemplam (111) o rei na sua glória (112). Não digo que eles sejam arrebatados no corpo, mas em espírito são arrebatados na contemplação ao terceiro céu (113), contemplando com a sutiliza do espírito a gloria da Trindade. Ali escutam com o ouvido do coração o que não podem exprimir em palavra (114), nem ainda compreender com o entendimento: E estes são os que rendem cem por um.

Rogamos-te, pois, Senhor Jesus, que nos faças terra boa, capaz de receber a semente da tua palavra e produzir fruto digno de penitência (115), para que possamos viver eternamente na tua glória. Auxilia-nos, tu que és bendito por séculos de séculos. Assim seja.

 

6 – LADAINHA DE SANTO ANTÔNIO.

Senhor, tende piedade de nós.

Cristo, tende piedade de nós.

Senhor, tende piedade de nós.

 

Jesus, ouvi-nos Jesus, ouvi-nos.

Jesus, atendei-nos Jesus, atendei-nos.

Deus Pai celestial, tende piedade de nós.

 

Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.

Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.

Santíssima Trinidade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

 

Santo Antônio de Pádua, rogai por nós.

Santo Antônio, íntimo amigo do Menino Deus, rogai por nós.

Santo Antônio, Servo da Mãe Imaculada, rogai por nós.

Santo Antônio, fiel Filho de São Francisco, rogai por nós.

Santo Antônio, homem da santa oração, rogai por nós.

Santo Antônio, amigo da pobreza, rogai por nós.

Santo Antônio, lírio de castidade, rogai por nós.

Santo Antônio, modelo de obediência, rogai por nós.

Santo Antônio, amante da vida oculta, rogai por nós.

Santo Antônio, depreciador da glória humana, rogai por nós.

Santo Antônio, rosa de caridade, rogai por nós.

Santo Antônio, espelho de todas as virtudes, rogai por nós.

Santo Antônio, sacerdote segundo o Coração do Altíssimo, rogai por nós.

Santo Antônio, imitador dos apóstolos, rogai por nós.

Santo Antônio, mártir de desejo, rogai por nós.

Santo Antônio, coluna da Igreja, rogai por nós.

Santo Antônio, amante cuidadoso das almas, rogai por nós.

Santo Antônio, propugnador da fé, rogai por nós.

Santo Antônio, doutor da verdade, rogai por nós.

Santo Antônio, batalhador contra a falsidade, rogai por nós.

Santo Antônio, arca do testamento, rogai por nós.

Santo Antônio, trombeta do Evangelho, rogai por nós.

Santo Antônio, Apóstolo dos pecadores, rogai por nós.

Santo Antônio, extirpador dos crimes, rogai por nós.

Santo Antônio, reabilitador dos criminosos, rogai por nós.

Santo Antônio, reformador dos procedimentos, rogai por nós.

Santo Antônio, conquistador dos Corações, rogai por nós.

Santo Antônio, auxílio dos aflitos, rogai por nós.

Santo Antônio, terror dos demônios, rogai por nós.

Santo Antônio, ressuscitador dos mortos, rogai por nós.

Santo Antônio, restituidor das coisas perdidas, rogai por nós.

Santo Antônio, glorioso taumaturgo, rogai por nós.

Santo Antônio, santo do mundo inteiro, rogai por nós.

Santo Antônio, Glória da Ordem dos Menores, rogai por nós.

Santo Antônio, alegria da corte celestial, rogai por nós.

Santo Antônio, amável patrono nosso, rogai por nós.

 

Cordeiro de Deus que tiras os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus que tiras os pecados do mundo, escutai-nos, Senhor.

Cordeiro de Deus que tiras os pecados do mundo, tende piedade de nós.

 

Rogai por nós Santo Antônio de Pádua.

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

 

Oremos

Alegre, Senhor Deus, a tua Igreja a solenidade votiva de Santo Antônio, confessor e doutor, para que sempre se encontre fortalecida com socorros espirituais e mereça alcançar as alegrias eternas.

 

7 – ORAÇÃO FINAL.

“Rogamos-te, pois, Senhor Jesus, que nos faças terra boa, capaz de receber a semente da tua palavra e produzir fruto digno de penitência, para que possamos viver eternamente na tua glória. Auxilia-nos, tu que és bendito por séculos de séculos. Assim seja.” (Santo Antônio de Pádua).

 

Santo Antônio de Pádua, rogai por nós!

Deus te abençoe e Maria te guarde!

 

Antônio Gomes

Formador (Consagrado na dimensão de Aliança) da Comunidade Mariana Boa Semente

Missão Quixeramobim (Sede)

 

Fonte: SANTO ANTÔNIO DE LISBOA. Obras Completas. Sermões Dominicais e Festivos (Vol. I)

 

Introdução, tradução e notas por Henrique Pinto Rema.

Lello e Irmão Editores, Porto, 1987; págs 37-53.

 

—————

 

92.Sl 103, 25-26.

93.Cf. Mt 7, 13.

94.Cf. Mt 1. c.

95.Joel 1, 6-7 (Vg. muda).

96.Cf. ARIST., De part. an., IV, 10, 686ª, 21-22.

97.Cf. ARIST., De hist. an., VIII, 5, 594b, 26-27.

98.Cf. Lc 18, 2.

99.Lc 8, 8.

100.Mt 13, 8 (Vg. muda).

101.Sl 3, 23.

102.Sl 43, 26 (Vg. muda).

103.Sl 65, 4.

104.Jo 4, 23.

105.Cf. Glo. Ord. e Int., Job 26, 7.

106.Cf. Glo. Int., Gen 6, 14.

107.Cf. Glo. Ord., Gen 6, 15.

108.2Cor 11, 19-20.

109.Cf. Glo. Ord., Gen 1. c.

110.2Cor 11, 27.

111.Cf. Glo. Ord., Gen 1. c.

112.Is 33, 17.

113.Cf. 2Cor 12, 2.

114.Cf. 2Cor 12, 4.

115.Mt 3, 8.

0 Comentários
Deixe o seu comentário!

Confira as atualizações dos Blogs!
Notoris - Agência Digital